Pesquise neste Blog

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

G. Marañon. O livro e o livreiro. Trad. Luiz Washington Vita. mestre jou. 1953. bibliofilia. bibliofilo.





Gregorio Marañon.

O livro e o livreiro.

Mestre Jou.

1953.


Trad. Luiz Washington Vita. Livro em bom estado de conservação, brochura original, escasso, não perca, saiba mais... bibliofilia. bibliofilo.

Com retrato do autor.

Um muito raro e interessante livro sobre o prazer do livro, para poucos, deguste essa deliciosa peça de Marañon, um elogio a que poucos tiveram acesso.

Homenagem ao livro.Elogia da gente do livro.Inveja e louvor do livreiro.Não Há livro ruim.
O tempo subversivo cria livro subversivo.A malicia do que
escuta.O livro bom.
A humanidade sem livros.A perfeição do Livro.Generosidade do livro.

Temos um vasto acervo sobre essa bibliografia temática.

Toda postagem pode ser rastreada pelo site dos Correios.

CASO HAJA INTERESSE NESSE LIVRO OU EM NOSSO SERVIÇO, ENVIE UM E-MAIL PARA

philolibrorum@yahoo.com.br


Esta Página visa contribuir, com a localização de livros escassos, aos estudiosos das diversas ciências e áreas de estudo ou mesmo hobbies. Sobretudo as publicações já fora de comércio, antigas, esgotadas.

Works of Ralph Green Ye Olde Printery 1981 Illustrated,












WORKS OF RALPH GREEN

THE IRON HAND PRESS IN AMERICA; A HISTORY OF THE PLATEN JOBBER; ON MAKING A PRINTING PRESS.

Ye Olde Printery

1981

livro em bom estado de conservação, linda capa dura original, edição feita com papel especial, um primor, ilustrado. Um clássico sobre a história da impressa gráfica, escasso, não perca, saiba mais ...

Illustrated,A reprint of these three privately printed works by the famous printing historian, Ralph Green.
The first work has chapters on George Clymer and his Columbian Press, John I. Wells and the Toggle Joint, Peter Smith and the Hoe Company, Samuel Rust and the Washington Press, and others with a list of 43 Iron Press makers.
The history of the Platen Jobber discusses the development of the Liberty, the Universal, the Clamshell, and many other presses.
The final work described different types of printing presses that the amateur printer can make out of wood and metal.


Temos um vasto acervo sobre essa bibliografia temática.

Toda postagem pode ser rastreada pelo site dos Correios.

CASO HAJA INTERESSE NESSE LIVRO OU EM NOSSO SERVIÇO, ENVIE UM E-MAIL PARA

philolibrorum@yahoo.com.br


Esta Página visa contribuir, com a localização de livros escassos, aos estudiosos das diversas ciências e áreas de estudo ou mesmo hobbies. Sobretudo as publicações já fora de comércio, antigas, esgotadas.

Poetas do Rio Grande Norte Ezequiel Wanderley. Recife : Imp Industrial I. Nery da Fonseca 1922. Centro Polymathico. poesia potiguar riograndense










Poetas do Rio Grande do Norte

Ezequiel Wanderley. do Centro Polymathico.

Recife : Imprensa Industrial I. Nery da Fonseca

1922.

livro em bom estado geral de conservação, páginas em papel de primeira, com ilustrações fotográficas dos poetas e poetisas potiguares, capa dura original em tela editorial vermelha com marcas do tempo, lombada foi reforçada pelo antigo dono, miolo em excelente estado de conservação.

Importante livro sobre a história da poesia nordestina, brasileira e potiguar... Livro escasso, não perca, saiba mais...

É uma coletânea de poetas norte-rio-grandenses, de Nísia Floresta a Adriel Lopes, ou seja, de 1810 a 1930.



Ezequiel Lins Wanderley nasceu a 27 de outubro de 1872, em Assu-RN, sendo filho de Luiz Carlos Lins Wanderley e de Francisca Carolina Lins Wanderley. Faleceu em Natal, a 26 de novembro de 1933. A sua produção bibliográfica é assim resumida por Rômulo C. WANDERLEY:
Era cronista, teatrólogo e poeta, sendo vasta a sua bibliografia, parte publicada e parte deixada inédita, da qual a maioria escrita para o teatro. Vejamo-la: Os Cajus do Papai (diálogo infantil, em versos); A Tia Quitéria (comédia em versos); A Mortalha de Rosas, episódio dramático, levado à cena no antigo Teatro Carlos Gomes, pela companhia Lucília Peres-Leopoldo Fróis; Balões de Ensaio, Artigos e Crônicas (Natal, 1919).

Dos trabalhos inéditos, contam-se: Fora do Sério (versos humorísticos); O Papa-Gerimu, revista de crítica e costumes locais, encenada pelo Ginásio Dramático, no teatro Carlos Gomes; A República dos Bichos, fantasia teatral; Da Tribuna, discursos litero-humorísticos; Rimário, versos; e Êle, Elas… e a Outra…, fantasia lírica, representada também no Carlos Gomes, pela Companhia Regional. A imprensa de Natal sempre contou com a sua presença. Assim é que fundou “O Tentâmen”, “A Evolução” “O Fantoche”, n’”A República”. Em Macau, onde residiu três anos, foi redator dos jornais “A Pátria” e “Fôlha Nova”.

De todos seus trabalhos, o mais importante é o livro Poetas do Rio Grande do Norte, publicado em 1922, pelo governo do Estado. É uma coletânea de poetas norte-rio-grandenses, de Nísia Floresta a Adriel Lopes, ou seja, de 1810 a 1930.

Fonte: WANDERLEY, Rômulo C. Panorama da Poesia Norte-Rio-Grandense: Ezequiel Wanderley. Rio de Janeiro: Edições do Val LTDA, 1965. Páginas 262-263.

O seu falecimento foi noticiado da seguinte forma:

“Ezequiel Wanderley – Faleceu nesta capital, na madrugada de domingo último, o estimado cidadão sr. Ezequiel Lins Wanderley funcionário estadual aposentado e antigo jornalista conterrâneo, tendo também deixado apreciada bagagem literária em prosa e verso.

O extinto contava sessenta anos de idade. Casado com a sra. Claudina Wanderley, deixa os seguintes filhos: sta. Dulce Wanderley, professora do grupo Escolar Antônio de Sousa, dr. Oscar Wanderley, advogado, professor da Escola Normal e o jovem Genar Wanderley.

Era irmão, o extinto, do dr. Celestino Wanderley, Juiz substituto federal neste Estado, deixando também muitos sobrinhos e netos.

O seu enterro realizou-se ontem no cemitério do Alecrim, tendo grande acompanhamento”.

A Republica, Natal, quarta-feira, 29 de novembro de 1933, p. 8.

Sugestão de pesquisa:

WANDERLEY, Sandoval. Ezequiel. Revista da Academia Potiguar de Letras, Ano VII, n. 2, p. 37-49, 1964.



Ezequiel Wanderley. do Centro Polymathico.

A “Revista do Centro Polymathico do Rio Grande do Norte”, que circulou entre ao anos de 1920 e 1922, em Natal-RN, foi um espaço privilegiado para a divulgação de crônicas, poemas, notas e resenhas biobibliográficas que podem revelar, no campo da literatura, como se iniciou o processo de modernização da sociedade potiguar. Neste sentido, este trabalho apresenta estudo sobre a mesma, com o objetivo de levantar dados da memória cultural e de analisar a literatura que se produziu no Rio Grande do Norte, no início do século XX, dados que se poderão comparar, em etapas posteriores, a outras produções do período em questão.


Temos um vasto acervo sobre essa bibliografia temática.

Toda postagem pode ser rastreada pelo site dos Correios.

CASO HAJA INTERESSE NESSE LIVRO OU EM NOSSO SERVIÇO, ENVIE UM E-MAIL PARA

philolibrorum@yahoo.com.br


Esta Página visa contribuir, com a localização de livros escassos, aos estudiosos das diversas ciências e áreas de estudo ou mesmo hobbies. Sobretudo as publicações já fora de comércio, antigas, esgotadas.

domingo, 22 de agosto de 2010

Transfiguração Manuel Arão Maçonaria Espiritismo Pernambuco 1908 de Afogados da Ingazeira Sertão do Pajeú












Transfiguração

Manoel Arão

1908



Manuel Arão

Transfiguração - Scenario Pernambucano

Chardron - Portugal

(1908, romance que provocou a sua eleição como presidente da Academia Pernambucana de Letras);


Livro em bom estado geral de conservação, capa dura origina, em tela editorial vinho, com inscrições em baixo relevo dourado. Miolo em muito bom estado, capa conservada, lombada com pequenino desgaste, há pequenos furos na capa e contra-capa mas que não interferem no miolo do livro. Qualquer dúvida, pergunte-nos.

Manuel Arão Oliveira Campos nasceu na pequenina Vila de Afogados (Misericórdia) em 11 de janeiro de 1874 (embora existam registros que dizem ser 1873, 1875 e 1876), auge do período imperial em que havia grandes divergências religiosas entre os da Igreja e os anticlericais, grande parte ligados à Maçonaria.

Como tantos outros jovens nascidos ocasionalmente em pequeninas localidades, já trazia na precocidade de suas primeiras tentativas literárias o mérito revelador de uma capacidade que o transformaria mais tarde em um dos mais destacados escritores pernambucanos.

Filho do capitão José Matheus Coimbra Campos e dona Francisca Joaquina de Oliveira Campos. Com sua esposa, dona Palmira de Oliveira Campos teve uma única filha chamada Zalina, que se casou com o primo Oscar de Campos Góes (engenheiro agrônomo do Ministério da Agricultura).

Iniciou seus estudos em Afogados com professores primários ali radicados. Sob as influências sentimentais do meio e da época, entre jovens de olhares mansos e cabeleiras esvoaçantes, teria naturalmente de começar fazendo versos, compondo os seus madrigais a misteriosas criaturinhas anêmicas, filhas da imaginação quase impúbere do moço estreante das letras matutas.

Desde cedo revelou vocação literária e polemista, pois aos14 anos publicou um jornalzinho "A Pátria" que circulou na vilazinha de Afogados.

Sai da sua Afogados - onde já produz poesias - e vai morar em Caruaru onde começa a pontificar como homem e produtor de letras na década de 90 do século XIX (anos 1890).

Foi em seguida para o Recife, aos 19 anos de idade - entre 1894/1896, fazendo assim uma migração muito comum entre sertanejos de sua pequena vila natal para uma cidade de maior porte que era um ponto de parada para os que se dirigiam do sertão para o litoral.

De imediato se integra a todas as atividades culturais que surgem, passando a conviver com a nata de intelectualidade local e a participar da produção literária do Recife e do Estado.

No Recife desempenhou inicialmente trabalhos de escritório, mas dedicando-se ao mesmo tempo à vida literária, ligando-se ainda às atividades dos grupos maçônicos podendo ser considerado como um militante da maçonaria.

Na capital estudou na tradicional Faculdade de Direito de Pernambuco, passando a colaborar em revistas literárias e jornais diários.

Como burocrata foi, durante anos, funcionário da Great Western, companhia inglesa.

Colaborou como articulista nos seguintes jornais: Gazeta da Tarde, Jornal do Recife, Lanterna Mágica, A Província e no Diário de Pernambuco, chegando a redator no mais antigo jornal da América do Sul.

Na Maçonaria - Loja Cavaleiros da Cruz -, onde foi iniciado em 24 de junho de 1904, aos trinta anos de idade, galgou todos os graus filosóficos, chegando ao grau 33, fazendo parte de um grupo de maçons de escol.

Em 22/02/1909, quando mais se acentuavam os seus triunfos literários, era eleito presidente na Academia Pernambucana de Letras, tomando posse em 27/01/1910, na cadeira nº. 2, cujo patrono era frei Jaboatão, coroando a sua brilhante carreira literária.

Passou a colaborar em revistas e jornais diários. Na sua trajetória de intelectual, fundou a Vanguarda (revista literária) e o Jornal de Domingo, que era o suplemento literário do Diário de Pernambuco.

Sua militância na maçonaria foi das mais intensas, tendo não só participado da ação dessa sociedade beneficente como também escrito livros doutrinários e análise histórica. Esta fase intelectual de sua vida representa a parte da maturidade, quando já passara aquela dedicada à poesia e ao romance.

Política e literariamente, foi um escritor e jornalista polêmico, tanto que no Jornal de Domingo formava, juntamente com João Barreto de Meneses, Ernesto de Paula Santos, Arthur Bahia, Olímpio Galvão e Bráulio Cunha, uma brigada de vanguarda para combater idéias e conceitos que considerava errôneos, notadamente quando partiam da Revista Contemporânea, capitaneada por Theotônio Freire, Arthur Muniz, Demósthenes de Olinda, Franca Pereira, Alfredo de Castro e Paula Arruda.

Sua atuação literária foi de uma diversidade impressionante, pois escreveu romances, crônicas, ensaios, crítica, poesia, dramaturgia, bem como metérias científicas e religiosas.

Como literato, foi romancista e poeta. Na sua vasta obra literária, destacam-se: Íntimas - 1896; Adúltera - 1897; Notas Pessimistas (em parceria com Ernesto de Paula Santos); Magdá - 1890; Drama e Ódio - 1890; Uma Resposta Devida - 1900; Transfiguração (Portugal) - 1908; Liturgia Maçônica - 1915; O Problema do Ensino - 1917; O Claustro (seu romance mais conhecido) - 1919; História da Maçonaria no Brasil - 1927; Os Quilombos dos Palmares (revista) - 1922; Clepsydra (não publicado).

Entre os livros maçônicos destacam-se A Maçonaria e sua Missão Social de 1907, daí enveredou pela análise das relações religiosas, com dois livros publicados em 1915, A Separação entre a Igreja e o Estado e Fetichismo, Monoteísmo e Politeísmo.

Em 1917 ainda publicaria o livro Versão Estética, dedicado à crítica literária e de idéias. Alguns dos seus livros, sobretudo os dedicados à Maçonaria e aos problemas religiosos deveriam ser republicados face à contribuição que trazem à história cultural de Pernambuco. Eles iniciam uma retomada dos temas que foram discutidos meio século antes por polemistas, como Abreu e Lima e Pinto de Campos, e que foram continuados por Soriano de Souza, durante a Questão Religiosa.

Maçon e Espírita, mente aberta à ciência e novas teses filosóficas acerca da espiritualidade dos homens, foi duramente atacado pela Igreja católica. No romance O Claustro utilizou seu vasto conhecimento literário e científico para estigmatizar a sociedade católica, enfatizando sua debilidade moral, posto que a personagem central do romance, Cláudia, era filha de um padre.

No Instituto Arqueológico e Geográfico de Pernambuco consta que Manoel Arão era solteiro, mas no livro "Velhos e Grandes Sertanejos" está escrito que ele era casado com dona Palmira de Oliveira Campos.

Manuel Arão partiu para o Oriente Eterno em 14/01/1930.

era filho legítimo de José Mateus Coimbra Campos(capitão)e D. Francisca Joaquim de Oliveira Campos.

Desde cedo revelou vocação literária e polemista, pois aos 14 anos publicou um jornalzinho- A Pátria- que circulou em Afogados da Ingazeira.

Aos 15 anos vem para o Recife, depois de rápida estada em Caruaru(PE).

Em Recife, estudou na tradicional Faculdade de Direito de Pernambuco, passando a colaborar em revistas literárias e jornais diários.

Política e literáriamente, foi um escritor e jornalista polêmico, tanto que no Jornal de Domingo, o suplemento literário do Diário de Pernambuco, formava juntamente com João Barreto de Meneses, Ernesto de Paula Santos, Arthur Bahia, Olímpio Galvão e Bráulio Cunha, uma brigada de vanguarda para combater idéias e conceitos que considerava errôneos, notadamente quando partiam da Revista Contemporânea, capitaneada por Theotônio Freire, Arthur Muniz, Demósthenes de Olinda, Franca Pereira, Alfredo de Castro e Paula Arruda.


Temos um vasto acervo sobre essa bibliografia temática.

Toda postagem pode ser rastreada pelo site dos Correios.

CASO HAJA INTERESSE NESSE LIVRO OU EM NOSSO SERVIÇO, ENVIE UM E-MAIL PARA

philolibrorum@yahoo.com.br


Esta Página visa contribuir, com a localização de livros escassos, aos estudiosos das diversas ciências e áreas de estudo ou mesmo hobbies. Sobretudo as publicações já fora de comércio, antigas, esgotadas.

Torre de Babel Paula Achilles 1911. Ceará. Literatura brasileira antiga. Nordeste. Cearense. etc. poesia







Torre de Babel

Paula Achilles

Off. da Escola de Artifices do ceará.

1911

encadernado em capa dura, em couro, com 220 pg, Livro em bom estado de conservação, escasso, não perca saiba mais...

Canções do Tédio, dedicado ao Papi Junior.

Poema de dor, para um coração de mãe.

Reversos, ao Coronel Manoel Francisco da Silva.

Evangelho de uma creança,

Parallelos, ao Comandante Estevão Adelino Martins

Val de Lyrios, para o livro de Mimi.

Paschoas,ao Coronel Frncisco Rodrigues de Miranda

Rimas Negras, a Alf. Castro e Ricardo Barbosa.


Achiles Francisco de Paula era casado com Maria Guarnieri de Paula. Possuía o título de major. Trabalhou como comerciante numa casa de secos e molhados nas proximidades do Largo Quintino Bocaiúva. Exerceu o cargo de delegado de polícia. Figura de grande participação na vida social e política da cidade, presidiu a antiga UDN de Bicas e foi vereador.

Temos um vasto acervo sobre essa bibliografia temática.

Toda postagem pode ser rastreada pelo site dos Correios.

CASO HAJA INTERESSE NESSE LIVRO OU EM NOSSO SERVIÇO, ENVIE UM E-MAIL PARA

philolibrorum@yahoo.com.br


Esta Página visa contribuir, com a localização de livros escassos, aos estudiosos das diversas ciências e áreas de estudo ou mesmo hobbies. Sobretudo as publicações já fora de comércio, antigas, esgotadas.

Trechos: Prosa Mineira. Azevedo Neto 1914 Minas gerais literatura antiga brasil etc

Trechos: Prosa Mineira.

Azevedo Neto

Imprensa Official

1914

chronicas publicadas no 'O Minas Gerais' e no 'Diario de Minas'. Coda13-x6,

Livro em bom estado de conservação, escasso, não perca saiba mais...

Temos um vasto acervo sobre essa bibliografia temática.

Toda postagem pode ser rastreada pelo site dos Correios.

CASO HAJA INTERESSE NESSE LIVRO OU EM NOSSO SERVIÇO, ENVIE UM E-MAIL PARA

philolibrorum@yahoo.com.br


Esta Página visa contribuir, com a localização de livros escassos, aos estudiosos das diversas ciências e áreas de estudo ou mesmo hobbies. Sobretudo as publicações já fora de comércio, antigas, esgotadas.

Apocalypse, Ruy. Papoula Dos Sete Reinos. 1954

Ruy Apocalypse

Papoula Dos Sete Reinos.

1954


livro em bom estado geral de conservação,coda13-x3, brochura original, escasso, não perca, saiba mais...



Ruy Apocalypse, autor, entre outros, dos livros “Crônicas da Noite” (Massao Ohno Editora, 1960), “Papoula dos Sete Reinos” e “Realejo de Minas”.

As metáforas de que se utiliza são originalíssimas e muito bem colocadas. Seus poemas destacam-se, sobretudo, pelo ritmo, pela musicalidade latente, pela espontaneidade. É difícil destacar qualquer um deles, dos seus três livros mais conhecidos, pois todos têm qualidade superior. Exemplo:


“Crônica V – Do Criador e Suas Raízes”


“Nesta argila, plasmada no silêncio,
formei teu braço esquerdo, de mentiras.
Das árvores, roubei os galhos mansos
para cobrir teu corpo e tuas iras.

Mulher, além do sal, além do espelho,
és. E rios te cortam. E, nas águas,
há braços de mil náufragos brilhando,
como espadas tebanas! Como espadas!

O rio que te clama, fez-te fonte,
o espelho que te adora fez-te lua.
Para cobrir teu rosto (céu das iras)
eu me deixo ficar, no teu enigma,
como um pastor, dormindo sobre o monte,
sonhado pelo azul, em sons de lira”.


Outro:



“Crônica VIII – Da Transfiguração Necessária”.


“Que as horas chorem fora das vidraças,
construindo seus musgos sobre os mastros
de velhos casarios alumbrados
e derradeiras praças penitentes.

Que os bairros mais burgueses alinhavem
suas rendas de chá, em velhas xícaras.
Que o sono seja grande e seja amargo
aos que amaram o amor, perdendo a sorte...
para que tudo nasça das idéias
que os ventos espalharam nas migalhas
de luzes e de carnes assombradas.

Do amanhã, outras vozes serão vindas;
e do agora, outros céus serão nascidos,
além do olhar das lâmpadas caídas”.



E esse:



“Costas de meu ser”:


Em mim eu pouco estou porque não quero
surgir em meio a dor, nuzinho em pêlo.
Hoje, curvado venho ao que eu espero
achar dentro do corpo, para crê-lo.

Rasguei os envelopes. Fui sincero.
Perdi os compromissos, mais o selo
da carta do que sou, no que me gero,
cada noite sem ar, pelo degelo.

Pouco me leio. Pouco me carteio.
Com o que fui por culpa de meus muros.
Perdi-me sem resposta nos escuros.

Em mim eu pouco estou. Tenho receio
de chegar a meus quartos e de ler
linha por linha, as costas de meu ser.

Interessantes, também, são seus versos curtos, quase aforismos, repletos de lirismo e de beleza, como este poema “Taça da manhã”:


Estouram flores
Na garrafa das árvores
--- Há borbulhas de aves
na taça da manhã.
Ou como este “Rodas do sol”:


Velocípedes vermelhos
pedalam, pedalam,
com as rodas do sol.
Ou como este “Cordas de luz”:


E na sanfona do dia,
crianças sonoras
pulam cordas de luz!


Ruy Apocalypse, poeta e cronista mineiro (1934-1967), radicado em São Paulo, era um boêmio inveterado, morava só, na Rua Conselheiro Nébias, e o isolamento da grande cidade o induziu ao alcoolismo descontrolado e crônico que lhe acarretou diversos problemas profissionais. Em uma madrugada, atirou-se debaixo de um ônibus.

Temos um vasto acervo sobre essa bibliografia temática.

Toda postagem pode ser rastreada pelo site dos Correios.

CASO HAJA INTERESSE NESSE LIVRO OU EM NOSSO SERVIÇO, ENVIE UM E-MAIL PARA

philolibrorum@yahoo.com.br


Esta Página visa contribuir, com a localização de livros escassos, aos estudiosos das diversas ciências e áreas de estudo ou mesmo hobbies. Sobretudo as publicações já fora de comércio, antigas, esgotadas.

Mensagem da Infância Jaime Balão Junior editora: Curitiba ano: 1957

Mensagem da Infância

Jaime Balão Junior

Curitiba, PR : Requião

ano: 1957

descrição: livro em bom estado de conservação, com 330 páginas,coda29b-x2, escasso, não perca, saiba mais.

sábado, 21 de agosto de 2010

Judeus no Brasil Imperial Wolf Egon e Frieda. Judaismo Inquisição Progrom Historia cemiterio judaico polacos marroquinos etc

Judeus no Brasil Imperial

Wolf Egon e Frieda


editora: Usp - cej

ano: 1975

descrição: livro em bom estado, coda9-5x,brochura original, ilustrado, escasso, nao perca, saiba mais...

Uma importante obra sobre judeus, marranos e cristãos novos no o período colonial.


549 PAG - CENTRO DE ESTUDOS JUDAICOS. UMA PESQUISA NOS DOCUMENTOS E NO NOTICIÁRIO CARIOCA DA ÉPOCA.

JORNAIS.HYPPOLITO JOSEPH DA COSTA PEREIRA FURTADO DE MENDONÇA. LIVROS. RELIGIÃO. CORONEL FRANCISCO LEÃO COHN. OS KELLER. JOÃO SALOMON. OS SALOMON DE UBATUBA E O CAFÉ DE ITAGUAI.
WALLERSTEIN & C. A LOJA DAS JUDIAS. ISEY LEVI. OS HIME. JOSE LAZARY7 - HENRIQUUE JOSE LAZARY.
ÁRVORE GENEALÓGICA DA FAMILIA NATHAN. OS NATHAN. OS MOSS. OS PHILLIPS. GEORGE HUDSON. OS SAMUEL.
OUTROS SAMUEL. OS YATES. JOSEPH LEVY MONTEFIORE. JUDEUS E ASUNTOS JUDAICOS NA ESTRANGEIRO
VISTOS PELA IMPRENSA CARIOCA. OS ROTHSCHILD. O MARQUES DE READING. OS SPYER. BERTHOLD GOLDSCHIDT.
DR. LUDWIG FRIEDRICH MATHIAS SCHREINER. CASAMENTOS MISTOS E CATÓLICOS. TESTAMENTOS.
ÓBITOS - ENTERROS - CEMITÉRIOS. JUDEUS VIAJANTES. NOMES PORTUGUESES. UNIÃO ISRAELITA SHEL GUEMILUT HASSADIM. SOCIEDADE ISRAELITA DO RITO PORTUGUES. MARROQUINOS NO RIO. MARROQUINOS NO NORTE. ESTRANGEIROS E NATURALIZAÇÕES. UNIÃO ISRAELITA NO BRASIL. MAIWS ARON,BLOCYH,DREYFUS E OUTROS HOMÓNIMOS. LEVI 0 LEVY. LEVY SAMUEL - SAMUEL LEVY. DESIRÉ KAHN. JAMIN DE ST
.COHEN. HIATE JUDEO. O JUDEU FRANCÊS FICARÁ FRANCÊS. TEATRO E ARTISTAS.
SARAH BERNHARDAT. LOUIS MOREAU GOTTSCHALK. CAFTENS E PROSTITAS. POLICIA. CONDERAÇÕES.
OS MORETZSOHN. SEGURO DE VIDA. SÃO PAULO. LUIZ MATHEUS MAYASKY. OS NOTHMANN. RIO GRANDE DO SUL.
JAMES PINTOSCHEN,RIO VERDE E ADOLPHO OPPENHEIM,POUSO ALEGRE. MINAS GERAIS. ESTADO DO RIO DE JANEIRO. RECIFE. MACEIO. OS AMZALAK. COMMUN AUT´E ISRAÉLITE.


Temos um vasto acervo sobre essa bibliografia temática.

Toda postagem pode ser rastreada pelo site dos Correios.

CASO HAJA INTERESSE NESSE LIVRO OU EM NOSSO SERVIÇO, ENVIE UM E-MAIL PARA

philolibrorum@yahoo.com.br


Esta Página visa contribuir, com a localização de livros escassos, aos estudiosos das diversas ciências e áreas de estudo ou mesmo hobbies. Sobretudo as publicações já fora de comércio, antigas, esgotadas.

A Inquisição no Brasil: um Capitão-mor Judaizante Rachel Mizrahi Bromberg - perseguição judeus historia etc




A Inquisição no Brasil: um Capitão-mor Judaizante

Rachel Mizrahi Bromberg

editora: Usp - cej

ano: 1984

descrição: livro em bom estado, coda9-5x,brochura original, ilustrado, escasso, nao perca, saiba mais...

Uma importante obra sobre judeus, marranos e cristãos novos no o período colonial.


Temos um vasto acervo sobre essa bibliografia temática.

Toda postagem pode ser rastreada pelo site dos Correios.

CASO HAJA INTERESSE NESSE LIVRO OU EM NOSSO SERVIÇO, ENVIE UM E-MAIL PARA

philolibrorum@yahoo.com.br


Esta Página visa contribuir, com a localização de livros escassos, aos estudiosos das diversas ciências e áreas de estudo ou mesmo hobbies. Sobretudo as publicações já fora de comércio, antigas, esgotadas.

Os Meus Gloriosos Irmãos Howard Fast


Os Meus Gloriosos Irmãos

Howard Fast

editora: Beit M. Anilevitch

ano: 1954

descrição: brochura - 262 páginas, coda9-x5, livro com a capa brochura, em bom estado geral de conservação.

Livro em brochura, com capa original, com ilustrações e capa de Manoel Kantor. Tradução de Jacó Guinsburg, Prefácio à edição em português do próprio autor. Palavra de esclarecimento que precede a obra. Um livro que narra a hi...



A obra Meus Gloriosos Irmãos foi publicada em 1948 e tem a mesma idade do estado de Israel. É um hino à liberdade e à coragem, tendo marcado a adolescência de milhares de jovens judeus em todo o mundo. Era uma época particularmente difícil para os judeus, pós-holocausto e de implantação de uma nação. O livro de Fast foi um talismã dos mais importantes para muitos jovens que, militando em movimentos sionistas, deixaram o aconchego de seus lares e ignorando os apelos de pais preocupados se engajaram na luta pela terra prometida. A determinação, a perseverança e a crença inabalável dos hashmoneus em seus objetivos encontravam semelhança e afinidade no heroísmo dos jovens da Haganá, durante aqueles anos difíceis. O escritor trouxe o bandeira de Judá para bem perto destes jovens audazes e sonhadores que liam e reliam aquelas páginas estimulantes, com o olhar e o coração em Sion.

É interessante notar que passados mais de 60 anos da publicação de Meus Gloriosos Irmãos, o livro continua a constar na bibliografia recomendada aos madrichim para ser utilizada nas atividades com crianças e jovens, durante o período de Chanucá. Apesar do contexto sócio-cultural ter sofrido mudanças radicais e a juventude atual em nada ser semelhante àquela dos anos 40 e 50 - onde não existiam a globalização e a tecnologia avançada dos meios eletrônicos - o conteúdo da obra de Fast permanece irretocável em seu sentido mais profundo: o de transmitir valores como o heroísmo e a bravura que não se acovardam mesmo diante de inimigos poderosos. Com o livro de Fast, a festa de Chanucá ganhou novo contorno e uma mensagem mais moderna e vibrante. O combate dos macabeus fundiu-se com a própria luta pelo nascimento e perpetuação do Estado de Israel, que mesmo nos dias que correm ainda mantém-se em alerta e de prontidão na defesa de sua cultura, de seu modo de ser, de sua religião e de sua liberdade.


Temos um vasto acervo sobre essa bibliografia temática.

Toda postagem pode ser rastreada pelo site dos Correios.

CASO HAJA INTERESSE NESSE LIVRO OU EM NOSSO SERVIÇO, ENVIE UM E-MAIL PARA

philolibrorum@yahoo.com.br


Esta Página visa contribuir, com a localização de livros escassos, aos estudiosos das diversas ciências e áreas de estudo ou mesmo hobbies. Sobretudo as publicações já fora de comércio, antigas, esgotadas.

Denúncia. o Nazismo Nas Escolas do Rio Grande Souza J P Coelho De

Denúncia. o Nazismo Nas Escolas do Rio Grande

Souza J P Coelho De

editora: Thurmann

1941

descrição: 118 Pags.coda9-18z livro em capa dura, manteve-se a Brochura original, escasso, não perca, saiba mais ...

Inquisição Rol Culpados Anita Novinsky Judaísmo Progrom

Autor: ANITA NOVINSKY

Título: INQUISIÇÃO ROL DOS CULPADOS - FONTES PARA A HISTÓRIA DO BRASIL/SÉC. XVIII

Editora: EXPRESSÃO E CULTURA

Ano: 1992

Páginas: 195


Comentário: LIVRO EM BOM ESTADO DE CONSERVAÇÃO,BROCHURA ORIGINAL. CONTÉM MUITAS ILUSTRAÇÕES E UM GLOSSÁRIO E NOTAS EXPLICATIVAS SOBRE A INQUISIÇÃO.

Lista de brasileiros e portugueses residentes no Brasil que foram processados ou perseguidos pelos tribunais do Santo Ofício, durante o século XVIII, localizados pela autora nos depósitos do Arquivo Nacional da Torre do Tombo, em Lisboa.


Inventário de Cunho histórico e ideológico, este livro é antes de tudo uma preciosa fonte para o entendimento, mais profundo e abrangente, de um dos mais aterradores processos de intolerância, repressão e arbitrariedade que se tem notícia na história...

Contos e cantos. Domingos Marcondes.

Domingos Marcondes de Andrade

Cantos e Contos

Typ. Revista dos Tribunais

1913


livro em bom estado de conservação,296 páginas, coda13-12x, encadernação em capa dura couro, escasso, com retrato do autor, não perca saiba mais...

Com os typos assim tão escovados
A gente tem vontade de escrever;
Si estão sujos (horror!) quem póde lêr
Os melhores artigos... apagados?!

Assim tambem comnosco:
Queremos logo e logo aparecer;
Queremos que os amigos possam vêr
Como são nossos fracks bem talhados

Ninguem sáia mostrando o cotovêllo
Supondo ficar livre de reparo
Pelo menos se diz - que desmazêllo!

Quem tem seu collarinho limpo e claro
Não tem necessidade de escondel-o;
Si põe a mão no queixo é muito raro!

Rio Claro 1906



Domingos Marcondes de Andrade
NASCIMENTO:
13 de Dezembro de 1845

FALECIMENTO:
Rio de Janeiro, 23 de Julho de 1921

FILIAÇÃO:
Marcos Marcondes de Andrade
Maria Augusta Marcondes Toledo

ESPOSA:
Manuelita de Oliveira

PROFISSÃO: Juiz de direito

IRMÃOS:
Antonio Marcondes de Andrade
Jõao Marcondes de Andrade
Isabel Marcondes de Andrade
Maria do Carmo Marcondes (Mariquinhas)

Filhos:
Ruth de Oliveira Marcondes
Everardo de Oliveira Marcondes ( 13/06/1890 à 28/09/1891)
Clarisse de Oliveira Marcondes
Esther de Oliveira Marcondes (24/11/1894 - 09/ 1895)
Laïs de Oliveira Marcondes

Temos um vasto acervo sobre essa bibliografia temática.

Toda postagem pode ser rastreada pelo site dos Correios.

CASO HAJA INTERESSE NESSE LIVRO OU EM NOSSO SERVIÇO, ENVIE UM E-MAIL PARA

philolibrorum@yahoo.com.br


Esta Página visa contribuir, com a localização de livros escassos, aos estudiosos das diversas ciências e áreas de estudo ou mesmo hobbies. Sobretudo as publicações já fora de comércio, antigas, esgotadas.

Caderno Suburbano Yolandino Maia

Caderno Suburbano

Yolandino Maia

editora: Tamário

ano: 1953

descrição: Brochura, dedicatória assinada pelo autor e em bom estado.a13, escasso, saiba mais ...



Temos um vasto acervo sobre essa bibliografia temática.

Toda postagem pode ser rastreada pelo site dos Correios.

CASO HAJA INTERESSE NESSE LIVRO OU EM NOSSO SERVIÇO, ENVIE UM E-MAIL PARA

philolibrorum@yahoo.com.br


Esta Página visa contribuir, com a localização de livros escassos, aos estudiosos das diversas ciências e áreas de estudo ou mesmo hobbies. Sobretudo as publicações já fora de comércio, antigas, esgotadas.

Clarões J. Ramalho 1937 Alagoas autor alagoano Literatura alagoana Brasil antiga



Clarões - sonetos, odes e poema ( lyricos, philosophicos e historicos)

J. A. Coelho Ramalho

Baptista de Souza & Cia. - Rio

1937

Rio de Janeiro


livro em bom estado geral de conservação, amarelado naturalmente pelo tempo, com retrato do autor, uma pérola da antiga bibliografia brasileira e nordestina, alagoano de forte verve poetica. Prefácio de Leoncio correia.


Temos um vasto acervo sobre essa bibliografia temática.

Toda postagem pode ser rastreada pelo site dos Correios.

CASO HAJA INTERESSE NESSE LIVRO OU EM NOSSO SERVIÇO, ENVIE UM E-MAIL PARA

philolibrorum@yahoo.com.br


Esta Página visa contribuir, com a localização de livros escassos, aos estudiosos das diversas ciências e áreas de estudo ou mesmo hobbies. Sobretudo as publicações já fora de comércio, antigas, esgotadas.

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

DEMOCRACIA NO BRASIL PHILOSOPHIA, HISTÓRIA E POLÍTICA DA ACTUALIDADE Política Brasileira antiga, ideologias, raças, filosofia, maçonaria , anarquia




DEMOCRACIA NO BRASIL ; PHILOSOPHIA, HISTÓRIA E POLÍTICA DA ACTUALIDADE.

Castilho, Augusto Ferreira de.

São Paulo: Instituto D. Anna Rosa,

1929.

bom estado geral de conservação, capa dura, amarelado e com marcas do tempo, com 249 páginas, algumas enriquecedoras e esclarecedoras notas do antigo dono à margem de página, escasso, não perca SAIBA MAIS ... Política Brasileira antiga, ideologias, raças, filosofia, maçonaria , anarquia, etc

Um interessante livro de filosofia e política escrito no Brasil, por um brasileiro, em meio a crise de 1929, para quem diz que não há filosofia no brasil é preciso ler isto ....

"Desde a Independência os capitaes estrangeiros encaminhavam-se oficialmente para o paiz... dahi a dependencia clara e insophismavel em que vive o Governo brasileiro de elementos estrangeiros que se manisfestam, quando lhes convem ou são provocados pelos proprios governantes, sobre questões que só a nós dizem respeito... Haja vista, para exemplificar, os numerosos telegramas dos Rothchildes, nas ocasiões de crises e quando ...

Neste livro ler-se-á tudo o que todo mundo pensa, mas que ninguém tem coragem de dizer..."


História e actualidades; Politica e partidos; ordem e patriotismo. Interessante livro que abrange a época imediatamente anterior à era Vargas e suas transformações para o Brasil...

Jornaes e Jornalistas: interessantes casos pouco conhecido do brasileiro de uma época que se dista pelo tempo, se aproxima pela ação truculenta e pela superstição ... alguns nomes que hão de interessar... Romão José Ribeiro; Apulcro de Castro; Jose Bento Pereira de Mello;

Raça e espirito democratico; Política e partidos; ultimo periodo colonial; pertidos politicos e lutas partidarias segundo reinado;


Temos um vasto acervo sobre essa bibliografia temática.

Toda postagem pode ser rastreada pelo site dos Correios.

CASO HAJA INTERESSE NESSE LIVRO OU EM NOSSO SERVIÇO, ENVIE UM E-MAIL PARA

philolibrorum@yahoo.com.br


Esta Página visa contribuir, com a localização de livros escassos, aos estudiosos das diversas ciências e áreas de estudo ou mesmo hobbies. Sobretudo as publicações já fora de comércio, antigas, esgotadas.

Michel Foucault Ou o Niilismo de Cátedra José Guilherme Merquior

Michel Foucault Ou o Niilismo de Cátedra

José Guilherme Merquior

editora: Nova Fronteira

ano: 1985

estante: Filosofia

descrição: Páginas: 277; Acabamento: Brochura; Formato: 14X21; Livro: Em bom estado de conservação, Tradução de Donaldson M. Garschagen..; Sinopse:; "Nesta obra, o autor oferece uma desinibida avaliação crítica da contribuição global de Foucault como Historiador do presente. Seu estudo abrange todos os livros do filosófo, inclusive os ultimos volumes de sua inacabada História da sexualidade...."

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Jethro Saraiva Maranhão Penumbra Lyrica 1926 Pernambuco Poesia Literatura Brasil

Jethro Saraiva Maranhão

Penumbra Lyrica

1926

O globo

livro em bom estado de conservação,capa dura em couro, manteve-se a brochura original,amarelado pelo tempo, a13,07-x,escasso livro da bibliografia brasileira e pernambucana, saiba mais...

Contemplações José Luiz de Magalhães Do Autor ano: 1913

Contemplações

José Luiz de Magalhães

editora: Do Autor

ano: 1913

descrição: Livro em bom estado, escasso,a13, 221 p. não perca, saiba mais...




José Luiz de Magalhães

Nascido no Rio de Janeiro a 6 de maio de 1875 e desencarnado na mesma cidade a 22 de novembro de 1949.

Era filho de José de Magalhães Silva Júnior e D. Luíza Rodrigues Soares.

Alma sensível, foi desde sua infância de caráter muito religioso.

Educado no Colégio de Caraça, de padres católicos, entregava-se à contemplação com elevação de propósitos, chegando mesmo a auxiliar ofícios religiosos inerentes à sua igreja.

Assim cresceu e constituiu família, casando-se no ano de 1898, com D. Julieta da Costa Magalhães, de cujo matrimônio nasceram-lhe sete filhos.

Ao deixar o Colégio, empregou-se no banco do Comércio, em 1892, ao qual serviu por 20 anos consecutivos, prestando ali, os mais relevantes serviços.

Ótimo funcionário, assíduo e prestativo, conseguiu galgar postos de confiança e constituir família, dando-lhe relativo conforto e educação primorosa aos seus filhos.

De sua lavra é o livro de poesias intitulado Contemplações, o mais belo e puro sentimento de sua alma sensível, no dizer de Indalício Mendes, um inspirado e o inspirado é quase sempre um médium, a mediunidade atributo de todos os poetas, quando suas almas viajam por mundos espirituais em busca de temas que chegam ao clímax da sublimação .

Produziu ainda ótimos versos, com Prelúdio, Glórias, Quatro Flores, A Pastora e outros. Versos
Antigos é um livro dedicado à sua dedicada esposa.

Traduziu também o Fim de Satã, de Victor Hugo, tradução que ratifica a sua cultura, o sentimento poético e a sua sensibilidade.

Foi um espírita dedicado ao trabalho, durante toda sua vida, sempre aureolado pela simplicidade e pala modéstia, homem culto, porém, de certo modo tímido, deu sua vida à causa e à família, até a sua libertação do corpo carma, ocorrida no dia 22 de novembro de 1948.

Nos seus escritos foi encontrado, posteriormente, um bilhete com os dizeres:

“À minha família: Desejo ser enterrado com a roupa que estiver vestido ou, se estiver de cama, amortalhado num lençol; sem anúncios, só avisando aos mais íntimos para o enterro, que deverá ser de terceira classe ou mais modesto ainda (ou da capela do cemitério), em jazigo provisório ou mesmo em cova rasa, fora do túmulo da família, sendo entregue o local ao cemitério findo o prazo, sem nenhuma exumação de ossos pela família.

Dispenso apresentações ou remessas de coroas fúnebres e peço, aos que quiserem, uma oração íntima por mim e pelos que sofrem. 2-2-1947 - ass. José Luiz Magalhães.”

O Cyclo das Gerações: um nobiliário fluminense 1939 Genealogia Heráldica Linhagem etc Cardoso de Miranda

O Cyclo das Gerações: um nobiliário fluminense.

Cardoso de Miranda

1939

Edição Vozes Petropolis


livro em bom estado de conservação, capa brochura original, um livro de referência sobre o assunto, escasso, a18a, não perca, saiba mais...

Genealogia
Institutos e obras
Árvores dinásticas
A gleba
A unidade do Sangue
Nobreza
Origem dos Sobrenomes
Teoria da Heráldica
Filhos d’algo
O Testamento do Sarg. Mor
A Baronesa d’Abbadia
O Sarg. Mor G. F. de Miranda
O 1º Barão d’Abbadia
Carta de Brasão
Os Miranda (Miranda Pinto, Martins Pinheiro, Gusmão Miranda,Cardoso de Miranda, Miranda Menezes, Pache de Faria, Almeida Miranda, Menezes Povoa, Pereira Pinto, Miranda Sá Sobral, Manhães Barreto, Rodrigues Peixoto, Coelho de Almeida, Sá Barroso, Cavalcanti de Albuquerque.

Os Cardoso Moreira (Araújo Silva, Araújo Cardoso, Nabuco de Araújo, Cardoso de Miranda, Motta Maia, Machado Cardoso, Magarinos Torres, Pereira Porto, Domingues Tinoco, Martins Júnior, Aguiar Cardoso, etc.
O Conde de Iguassú
Os Monteiro Teixeira de Miranda (Teixeira de Macedo, Vahya, Meirelles, Souza Rabello, Sarmento e Castro, Veiga de Siqueira, etc)

Os Araújo (Pereira Pinto, Motta Leite, Vieira de Carvalho, Carvalho de Moraes, etc.

Os Azeredo Coutinho (Annes de Araújo, Alz, Azevedo, Sodré, Grimaldi, Rangel, Coutinho e Mello, Tavares da Silva, Barcellos, etc.

Notas Complementares.


”...a genealogia, como ciência não se restringe à investigação exclusiva de árvores nobiliárquicas, mas à reconstituição de todas as famílias, por mais modestas no sentido de buscar a contribuição pessoal na obra comum de engrandecimento da Pátria.”


A genealogia é uma das mais belas e úteis ciências, quando cultivada em função da Terra e do Sangue.

A preocupação absorvente da Gleba e da Família, do apego ao chão e às tradições domésticas, fecunda as raízes das árvores genealógicas, que são áridas e frias, inexpressivas e mudas quando redundam em simples enumeração de ascendentes e descendentes.
Florescem os seus ramos, enfeitam-se de cor e de som, animam-se, enchem-se de vida, esmaltam-se de glória sentida e compreendida,
quando

investigamos nos alfarrábios e tiramos do pó o espírito dos antepassados, para viver suas existências, comungar suas dores, beber suas lições, impregnar-nos de suas virtudes e do heroísmo de seus martírios.

Se o brasileiro se apaixonasse pela sua Terra e pela sua Gente, pela comuna cuja gleba seus avós lavoraram, essa paixão longe de desenvolver qualquer regionalismo, lhe daria uma alta e humana compreensão da Vida, da verdade da História e do sentido cristão da Pátria – pátria admirável e bela, que é a mesma paisagem conhecida e amiga que nos habituamos a contemplar da janela da casa paterna e que nossos mortos levaram na retina para o seio da terra abençoada, pátria que é ossuário de....

Umburana Contos Aluísio Inojosa editora: Ufpe ano: 1970

Umburana Contos

Aluísio Inojosa

editora: Ufpe

ano: 1970

descrição: Em excelente estado de conservação, a18a, brochura original, escasso, saiba mais...

O Que Eu Vi. o Que Nós Veremos Alberto Santos Dumont

O Que Eu Vi. o Que Nós Veremos

Alberto Santos Dumont

editora: Piratininga

ano: 1918

estante: Livros Raros

descrição: Encadernação em brochura original, em bom estado, a18a, não perca, escasso, saiba mais...

Sob o Olhar de São José - Ilustrado Paroquianos de São José do Belém

Sob o Olhar de São José

Sob o Olhar de São José - Ilustrado

Paroquianos de São José do Belém

Apresentação do Cônego Antonio de Castro Mayer. Brochura original em bom estado.

editora: Elvino Pocai

ano: 1947

estante: Livros Raros

peso: n/d

descrição: Número de Páginas: 244, 16 x 25, capa em brochura original, Conservação Ótimo Estado, riquíssimamente ilustrado,a1b.Saiba mais;

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Poemas De Ontem E De Hoje - Djalma Andrade - 1ª Edição 1937




Djalma Andrade Poemas de Hontem e de Hoje.

Typographia Oliveira e Costa.

Belo Horizonte.

1937


Livro em bom estado, escasso, livro antigo, amarelo do tempo, pequenino furo. saiba mais...

" Djalma Andrade " Nasceu em Congonhas, Minas Gerais. Formado em Direito. Nomeado promotor de Justiça em Ouro Preto, não tomou posse para dedicar-se ao jornalismo e as letras. Atuou em quase todos os jornais e revistas em Belo Horizonte. No Estado de Minas assinava a coluna "A História Alegre de Belo Horizonte". Membro da Academia Mineira de Letras e da Academia de Lisboa. Bibliografia: “Versos Escolhidos” - 1935 “Poemas de Ontem e de Hoje” – 1937 “Sátiras” “Cartuchos de Festim” “Poemas Escolhidos” “Versos Escolhidos e Epigramas” -1945 Teve diversos livros com edições esgotadas em especial a última em 1986. Faleceu aos 83 anos.

domingo, 1 de agosto de 2010

História das Ciências no Brasil Mário Guimarães Ferri & Shozo Motoyama


História das Ciências no Brasil

Mário Guimarães Ferri & Shozo Motoyama

editora: Edusp

ano: 1979

descrição: Livro em bom estado de conservação, capa dura, usado, Capas dura, medindo 22x16cm. Contém 390+468+ 467 páginas em bom estado de conservação.


A coleção de três volumes, trata de temas diferentes, não dependendo um dos outros livros. Livro em bom estado.

Com 468 páginas limpas e pouco amareladas.

Esta coleção célebre tem como objetivo fomentar os estudos das Ciências no Brasil, buscando um compreensão mais profunda de nossa realidade cultural.

entre outras: microbiologia, botânica, zoologia, geociências, climatologia, meteorologia, oceanografia, geologia, geomorfologia, etnologia, genética humana, e astronomia.



Brasil: Cultura Brasileira: História das Ciências.
Filosofia. Ciências Matemáticas. Física. Química. Bioquímica. Fisiologia. Farmacologia.
Medicina. Genética Vegetal. Evolução Biológica. História. Geografia Humana. Tecnologia.
Observações: Inclui apresentação dos autores, bibliografia ao final dos textos e índice onomástico.


Genética Vegetal. Ernesto Paterniani
A Medicina no Brasil. Lycurgo de C. S. Filho
A Farmacologia no Brasil. José Ribeiro do Valle
Alguns aspectos da evolução da Fisiologia no Brasil. José Ribeiro do Valle
A Bioquímica no Brasil. J. Leal Prado
Evolução da Química no Brasil. Simão Mathias
A Física no Brasil. Shozo Motoyama
Ciências Matemáticas. Chaim S. Hönig e Elza F. Gomide
Trajetória da Filosofia no Brasil. Antônio Paim
Introdução. Mário G. Ferri e Shozo Motoyama
Estudo sobre a Evolução Biológica no Brasil. Francisco M. Salzano
A História no Brasil. Francisco Iglésias
Geografia Humana. Pasquale Petrone
A Tecnologia no Brasil. Milton Vargas
"O desenvolvimento da história da ciência no Brasil."