Pesquise neste Blog

sábado, 21 de setembro de 2013

Miguel LEÓN-PORTILLA. A conquista da América vista pelos índios. Relatos astecas, incas e maias. Petrópolis: Vozes, 1984




Miguel LEÓN-PORTILLA. 
A conquista da América vista pelos índios. Relatos astecas, incas e maias. 
Petrópolis: Vozes, 
1984 

Este livro tem põe fim trazer a Público o testemunho dos sobreviventes das três grandes civilizações pré-hispânicas sobre a conquista espanhola em terras americanas. Reúne e comenta vários dos relatos indígenas sobre oque foi o violento choque de culturas então ocasionado.  

Tradução de:Augusto Ângelo Zanatta 

Segundo León Portilla, a memória indígena "da Conquista" para os sobreviventes significou mais que uma tragédia: a recordação passou a ser um trauma.
 

Para cada uma das três culturas americanas, o modo como foi empreendida a conquista significou um violento choque sentidos de modos diferentes em cada uma delas.
 

Para os astecas, a conquista foi traumática. 

Em princípio do século XVI, o povo asteca alcançava o seu máximo desenvolvimento e esplendor - considerados o "Povo do Sol", eram eleitos do deus da guerra, Huitzilopochtli, e, enquanto seus guerreiros conquistavam territórios, homens vindo do além mar estavam dispostos a empreenderem a sua conquista.
 

Confundindo primeiramente os espanhóis com o grande Senhor dos astecas, Quetzalcóatl, e os outros deuses que retornavam para tomarem seus lugares no templo, o engano desfez-se quando houve a matança no templo maior. 

O povo asteca que a princípio acreditava que aqueles homens eram deuses, ao verem o modo como aqueles estranhos comportavam-se, sua cobiça por ouro e sua fúria, mudaram de opinião: os estrangeiros não eram deuses, mas pololocas ou bárbaros.
 

Um outro fator importante que acentuou ainda mais o trauma da conquista foi quanto aos terríveis presságios que cada um daqueles povos, mexicanos e andinos, haviam previsto. A idéia do final dos tempos tornou-se real quando apareceram aqueles homens estranhos montados em monstros de quatro patas.
 

Com relação à conquista maia, o fato de já ter havido oito anos antes da chegada de Cortés um encontro entre espanhóis e americanos, serviu de prenúncio para o que haveria de acontecer mais tarde. A preocupação milenar de indicar datas de cada acontecimento tornou "sabido" e "aceito" a idéia de que ter estrangeiros em terras maias significava a ruína de sua cultura.

Mas o modo de como foi empreendida a conquista dos maias difere daquela levada à efeito junto aos astecas. Primeiramente, os estados maias submetidos à conquista foram aqueles que se encontravam nas terras altas de Chiapas e Guatemala, e somente anos mais tarde é que Yucatán haveria de ser conquistada. 

Essa demora na conquista da capital maia deu-se porque chegavam notícias sobre a abundância de ouro que existia nas terras peruanas, e estas faziam desanimar as tropas espanholas situadas no México. 

Os maias das terras altas da Guatemala assim como os astecas e os incas, acreditaram inicialmente que os estrangeiros eram deuses, porém os maias de Yucatán não acreditaram na divindade dos espanhóis. Os testemunhos maias da conquista refletem o que o autor chama de "visão filosófica da Conquista", pois o juízo condenatório dos sacerdotes e sábios maias sobreviventes se fundamenta em razões. 


Os maias condenaram os estrangeiros porque contradiziam-se em suas pregações e na maneira de agirem e comportarem-se com os índios.
Os incas por sua vez, consideravam-se assim como os astecas o "Povo do Sol" e do mesmo modo, sua área de domínio estendia-se por muitos quilômetros. 


Os incas no período da conquista estavam em pleno desenvolvimento político e econômico, e a dominação espanhola foi uma surpresa para aquela gente.
 

Os quéchua assim como os maias e os astecas, em um primeiro momento, acreditaram que aqueles homens estranhos eram os deuses que regressavam, que se tratava de Huiracocha e seus acompanhantes. Porém, quando ficou claro que os espanhóis não eram divindades, que eram homens ávidos por ouro e poder, uma outra idéia se apresentou: a presença daqueles estrangeiros significava o fim do antigo modo de vida andino. Embora os incas tenham resistido por aproximadamente quarenta anos, a convicção da derrota por fim tornou-se sólida.
 

O que restou dessas três culturas foram apenas testemunhos cheios de angústia e tristeza. Para cada uma das três civilizações, a memória da conquista teve um significado diferente. Para os astecas o resultado da conquista foi um profundo trauma, para os maias um acontecimento inevitável que tinha data marcada para acontecer, e para os incas, algo pelo qual valia à pena resistir, de forma dramática e surpreendente, durante quase quarenta anos

Livro usado, bom estado de conservação, escasso, não perca, saiba mais ...


Temos um vasto acervo sobre essa bibliografia temática.

Diga-nos quais você precisa e lhe daremos a resposta.  


Formas de Pagamento:  

Cartões de Crédito e Boleto Bancário (via Mercadopago ou Pay Pal)   

Depósito Bancário: Banco do Brasil  e CEF 

Ao optar por essa forma de pagamento, você receberá um e-mail informando-lhe os dados bancários.  

Pedidos Internacionais :     Paypal  e   Western Union.  

Poderemos estudar outra forma de pagamento, sempre em comum acordo.


Entrega:  

O livro será enviado assim que o pagamento for confirmado  com confirmação via e-mail e número de postagem para rastreamento da entrega, e chegará ao seu destino dentro de 3 a 7 dias úteis, de acordo com a região do Brasil.  
  
Todos os pedidos são enviados com seguro.  


CASO HAJA INTERESSE NESSE LIVRO OU EM NOSSO SERVIÇO, ENVIE UM E-MAIL PARA 
philolibrorum@yahoo.com.br

 














Alguns títulos de da área, caso haja interesse, contacte-nos que diremos sobre disponibilidade, preço e condições.

terça-feira, 10 de setembro de 2013

Autor: Jacques Le Goff Título: A bolsa e a vida Editora: brasiliense Ano: 1989 Páginas: 112 . Revisão técnica: hilário franco júnior. Entre o dinheiro e o Inferno: a usura e o usurário A bolsa: a usura. O ladrão de tempo. O usurário e a morte. A bolsa e a vida: o Purgatório. "O coração também tem suas lágrimas ". Apêndices.

Jacques   Le   Goff  
A bolsa e a  vida: econômia e religião na idade media.
Editora: brasiliense  
Ano:     1989  
Páginas: 112     

Comentário: LIVRO EM BOM ESTADO DE CONSERVAÇÃO ENCADERNADO EM BROCHURA ORIGINAL, Com algumas pagina grifadas pelo antigo dono.  Tradução: rogério silveira muoio. Revisão técnica: hilário franco júnior.

Entre o dinheiro e o Inferno: a usura e o usurário  A bolsa: a usura.  O ladrão de tempo. O usurário e a morte. A bolsa e a vida: o Purgatório. "O coração também tem suas lágrimas ". Apêndices.

Livros usados, bom estado de conservação, escasso, não perca, saiba mais ...


Eis um dos numerosos exempla de usurários, tirado de Jacques de Vitry, falecido pouco antes de 1240: 

"Um outro usurário riquíssimo, começando a lutar contra a morte , pôs - se a se afligir, a sofrer e a implorar à sua alma para que esta não o deixasse, pois ele a havia satisfeito, e lhe prometia ouro, prata e as delícias deste mundo se ainda quisesse ficar com ele. Mas que ela não lhe pedisse, em seu favor, dinheiro nem a menor esmola para os pobres. Vendo, enfim, que não a podia reter, se encoleriza e, indignado, lhe diz: 'Preparei - lhe uma boa residência com abundância de riquezas, mas você se tornou tão louca e tão miserável que não quer repousar nessa boa residência. Vã embora! Eu a entrego a todos os demônios que estão no Inferno'. Pouco depois entregou o espírito nas mãos dos demônios e foi enterrado no Inferno".

Temos um vasto acervo sobre essa bibliografia temática.

Diga-nos quais você precisa e lhe daremos a resposta.  


Formas de Pagamento:  

Cartões de Crédito e Boleto Bancário (via Mercadopago ou Pay Pal)   

Depósito Bancário: Banco do Brasil  e CEF 

Ao optar por essa forma de pagamento, você receberá um e-mail informando-lhe os dados bancários.  

Pedidos Internacionais :     Paypal  e   Western Union.  

Poderemos estudar outra forma de pagamento, sempre em comum acordo.


Entrega:  

O livro será enviado assim que o pagamento for confirmado  com confirmação via e-mail e número de postagem para rastreamento da entrega, e chegará ao seu destino dentro de 3 a 7 dias úteis, de acordo com a região do Brasil.  
  
Todos os pedidos são enviados com seguro.  


CASO HAJA INTERESSE NESSE LIVRO OU EM NOSSO SERVIÇO, ENVIE UM E-MAIL PARA 
philolibrorum@yahoo.com.br

 













Alguns títulos de da área, caso haja interesse, contacte-nos que diremos sobre disponibilidade, preço e condições.

sábado, 7 de setembro de 2013

Gilles Kepel A Revanche de Deus - reislamizaçao rejudaização recristinização crenças religioes teologia etc





Gilles Kepel

A Revanche de Deus

Siciliano

1992

Livro em bom estado de conservação, brochura com capa original.

Titulo completo: A Revanche de Deus - Cristãos, Judeus e Mulçumanos na reconquista do mundo; Livro capa brochura em bom estado de conservação, 243 páginas, formato 15X22, tradução de J E Smith Caldas; " Esses movimentos religiosos ainda não contam com um numero impressionante de adptos. Mas indicam o mal estar da civilização contemporanea.."


Atualmente, a insegurança social abriu caminho para uma insegurança e um vazio existencial. Não se nota que as pessoas tenham adquirido maior certeza ou segurança do que os seus antepassados.

No século XVIII edificou-se o projeto civilizatório da modernidade. Esse projeto, a Ilustração, afirmava a razão e o método científico como únicas fontes de conhecimento válido, rejeitava qualquer concepção do mundo derivada do dogma, da superstição e da fantasia e sustentava-se em três ingredientes conceituais: universalidade, individualidade e autonomia.

Todavia, catástrofes provocadas pelo Homem jogaram por terra a crença hegeliana no progresso da razão.

O messianismo científico cedeu lugar à emergência de todo tipo de novas seitas e igrejas, ao mesmo tempo que acontece uma recristianização, uma reislamização e uma rejudaização do mundo. É, segundo Gilles Kepel a Revanche de Deus.

A descrença nas religiões tradicionais e novas, associada à falta de respostas racionais às dúvidas, levou grande parte da humanidade a mergulhar em todo tipo de leitura e experiência mística e esotérica, fazendo florescer, em velocidade cada vez maior, rituais mágicos e suicidas, práticas alucinógenas com justificativas religiosas, meditações em templos energizados em forma de pirâmides, além de cristais, mantras, fadas, duendes e bruxos....



Livros usados, bom estado de conservação, escasso, não perca, saiba mais ...


Temos um vasto acervo sobre essa bibliografia temática.

Diga-nos quais você precisa e lhe daremos a resposta.  


Formas de Pagamento:  

Cartões de Crédito e Boleto Bancário (via Mercadopago ou Pay Pal)   

Depósito Bancário: Banco do Brasil  e CEF 

Ao optar por essa forma de pagamento, você receberá um e-mail informando-lhe os dados bancários.  

Pedidos Internacionais :     Paypal  e   Western Union.  

Poderemos estudar outra forma de pagamento, sempre em comum acordo.


Entrega:  

O livro será enviado assim que o pagamento for confirmado  com confirmação via e-mail e número de postagem para rastreamento da entrega, e chegará ao seu destino dentro de 3 a 7 dias úteis, de acordo com a região do Brasil.  
  
Todos os pedidos são enviados com seguro.  


CASO HAJA INTERESSE NESSE LIVRO OU EM NOSSO SERVIÇO, ENVIE UM E-MAIL PARA 
philolibrorum@yahoo.com.br

 












Alguns títulos de da área, caso haja interesse, contacte-nos que diremos sobre disponibilidade, preço e condições.

Yelena Saparina A Cibernética Está em nós Editora Saga 1967 inteligência artificial, biologia, psicologia, cibernética, e biónica Divulgação cientifica. Pensamentos mecânicos. Cibernética. Doenças de seres humanos e "doenças" de máquina. Laboratório do pensamento. Educação. Técnologia. Comunicação.




Yelena Saparina 
A Cibernética Está em nós 
Editora Saga - 1967

Tradução de Fernando Gouveia. 11 x 18 cm, Saparina Yelena (nascido em 1931, também conhecida como Elena Viktorovna Saparina) é um russo escritor.

Ela foi diretora da revista Znanie-Sila (conhecimento é poder). 

Ela publicou Cybernetics dentro de nós, em 1966 - um livro que fala sobre inteligência artificial, bem como heurísticas, biologia, psicologia, cibernética, e biónica. 

Ela ensina como AI Systems pode ser criado usando uma simples linguagem de computador, como C ou Pascal ou TurboBasic. 

Ms. Elena nos ilustra como o entertaining é possível criar um programa ou um robô capaz de realizar tarefas complexas. 

Este livro irá encorajar-nos a realizar experimentos programação. 

Assim, podemos ver se é possível a existência de redes de entidades que podem aprender. 


Divulgação cientifica. Pensamentos mecânicos. Cibernética. Doenças de seres humanos e "doenças" de máquina. Laboratório do pensamento. Educação. Técnologia. Comunicação.

INTRODUÇÃO. DOENÇAS DE SERES HUMANOS E DOENÇAS DE MÁQUINAS. 
CEM MILHÕES DE UNIDADES AUTOMÁTICAS DENTRO DE NÓS. 
O LABORATÓRIO DO PENSAMENTO. 
SE AS MÁQUINAS FOSSEM Á ESCOLA MÁQUINAS INSETOS. 
A PERCEPÇÃO NAS MÁQUINAS.

Livros usados, bom estado de conservação,279 PAG. escasso, não perca, saiba mais ...


Temos um vasto acervo sobre essa bibliografia temática.

Diga-nos quais você precisa e lhe daremos a resposta.  


Formas de Pagamento:  

Cartões de Crédito e Boleto Bancário (via Mercadopago ou Pay Pal)   

Depósito Bancário: Banco do Brasil  e CEF 

Ao optar por essa forma de pagamento, você receberá um e-mail informando-lhe os dados bancários.  

Pedidos Internacionais :     Paypal  e   Western Union.  

Poderemos estudar outra forma de pagamento, sempre em comum acordo.


Entrega:  

O livro será enviado assim que o pagamento for confirmado  com confirmação via e-mail e número de postagem para rastreamento da entrega, e chegará ao seu destino dentro de 3 a 7 dias úteis, de acordo com a região do Brasil.  
  
Todos os pedidos são enviados com seguro.  


CASO HAJA INTERESSE NESSE LIVRO OU EM NOSSO SERVIÇO, ENVIE UM E-MAIL PARA 
philolibrorum@yahoo.com.br

 












Alguns títulos de da área, caso haja interesse, contacte-nos que diremos sobre disponibilidade, preço e condições.