Pesquise neste Blog

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Memórias de um Retirante Raimundo Nonato editora: Pongetti ano: 1957 natal rio grande norte potiguar literatura nordeste seca sertanejo mossoró sertão potiguar rio grande do norte mossoroense

Memórias de um Retirante: minhas memorias do oeste potiguar. 

Raimundo Nonato

editora: Pongetti 

ano: 1957 
 
Em bom estado de conservação, capa dura, manteve-se a capa brochura original, exemplar escasso,x-4a13,não perca, saiba mais ... 


Obra de um dos mais significativos expoentes da literatura potiguar: o saudoso e festejado escritor e professor Raimundo Nonato da Silva.

Memórias de um Retirante, editado no ano de 1957, no Rio de Janeiro, com orelhas escritas pelo historiador e folclorista potiguar Luís da Câmara Cascudo.

Memórias de um Retirante é trabalho de homem, trabalho de teima, sofrido, pensado, sonhado, lento, lerdo, veloz, atribulado, mas incessante em sua marcha ascensional. Quando a gente acaba de ler, recorda de como Guillaumet andou, nos gelos dos Andes, duas noites e dois dias, e venceu para dizer: Une bête n’aurait pás fait ce que j’ai fait! E é mesmo", analisa Câmara Cascudo.

Neste livro, uma biografia romanceada, Raimundo Nonato resgata com simplicidade e beleza nos caminhos da memória uma grande parte de sua infância de menino pobre ao pé da serra de Martins, descrevendo a história verídica de quem sofreu na pele os flagelos da lastimável seca de 1919.  

É um livro que deve ser lido e guardado, carinhosamente, pelo repositório de episódios que sintetiza em sua magnífica tessitura. Escrito em estilo simples e objetivo, se torna atraente pelas surpresas que desdobra, nesse manancial de ensinamentos que robustecem a fé, na vitória do espírito encorajado pela disciplina da inteligência, a serviço da sensibilidade humana, diz Raimundo Nunes no prefácio.  

"Dessas lembranças de um passado que sempre me acompanhava, uma era mais viva, a da amizade do Benvenuto, o acendedor dos lampiões, que todas as tardes, quase à boquinha da noite, vinha com a escada no ombro, e por ela subia no poste, queimando a mecha, que logo ficava ardendo, soltando uma luminosidade fumacenta, amortecida e triste.  Àquela hora, ou no outro dia, quando ainda cedo voltava para limpar as mangas de vidro e reabastecer os depósitos de querosene, dava dois dedos de conversa comigo, que ficava ali por junto, entregando um pano, ajudando a ajeitar um pavio, ou segurando a escada. Depois, tudo pronto, lá se ia o Benvenuto, invariavelmente, parando em cada esquina, limpando outros lampiões, enquanto, de longe, eu ficava esperando pela sua volta, no outro dia."


Temos condição de conseguir muitos outros títulos sobre o assunto.
Diga-nos quais você precisa e lhe daremos a resposta.

Temos um vasto acervo sobre essa bibliografia temática.

Envio em até 24 horas após a confirmação de pagamento com confirmação via e-mail e número de postagem para acompanhamento da entrega.

Toda postagem pode ser rastreada pelo site dos Correios.
 
Todos os pedidos são enviados com seguro.

CASO HAJA INTERESSE NESSE LIVRO OU EM NOSSO SERVIÇO, ENVIE UM E-MAIL PARA philolibrorum@yahoo.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário