Pesquise neste Blog

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Metafisica do Belo Arthur Schopenhauer

Metafisica do Belo

Arthur Schopenhauer

editora: Unesp

ano: 2003

descrição: brochura, ótimo estado, saiba mais ...

metafísica do belo de Schopenhauer será justamente a que se aterá à abertura estética para o íntimo das coisas, que apontará os arquétipos brilhosos dos quais a realidade fenomênica é turvado éctipo.
A estética propriamente dita é pensada por ele mais relacionada a normas para o bem-fazer artístico. Quando lecionava em Berlim, no ano de 1820, alertava os seus alunos: Estética ensina o caminho através do qual o efeito do belo é atingido, dá regras à arte, segundo as quais ela deve produzir o belo. Metafísica do belo, entretanto, investiga a essência íntima da beleza, tanto em relação ao sujeito, que possui a sensação do belo, quanto em relação ao objeto, que a ocasiona. Mas nossas linhas querem ir além do mero exame de uma metafísica; ao mesmo tempo adotam um eixo: a Idéia, o belo enquanto negação da Vontade. Como a arte é exposição de Idéias, isso implica que a abordagem dela será o principal satélite a girar em torno desse eixo; ela será mostrada, nos seus diversos ramos, como negação da Vontade, de modo que ao final ficará claro para o leitor como o gênio é o correlato do asceta, como toda genuína vivência do belo é um momento beatífico, de iluminação. Ao lado disso, queremos ainda evidenciar que o autor de O Mundo. constrói a sua metafísica trilhando as sendas abertas por Kant na primeira parte da Crítica da Faculdade de Juízo, mormente por via das noções de gênio e sublime, de modo que sua filosofia do belo sai da terceira crítica como um galho do tronco. Já Nietzsche delineia alguns dos principais conceitos do seu pensamento aproveitando-se de uma oposição, por assim dizer, criativa a Schopenhauer. É o caso da arte como excitante da vontade de potência, da afirmação desta vontade pelo belo, da possibilidade de uma existência trágica: conceitos estabelecidos, nos seus traços marcantes, por inversão de teses de O Mundo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário