Pesquise neste Blog

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Renato Kehl Biblia da saude (Hygiene). Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1926.






Renato Kehl

Biblia da saude (Hygiene).

Rio de Janeiro: Francisco Alves,

1926.

Livro em bom estado de conservação, capa dura, escasso, não perca, saiba mais ....
512p, capa dura original, escasso, não perca.

Trata-se de um grande clássico de caráter universal primordial para a educação. Possui texto de fácil entendimento que estimula o leitor a pensar e refletir sobre o tema proposto.
Superioridade Racial, nazismo, Eugenismo, infertilização forçada, Etc.


1ª e única edição deste raro exemplar e documento que atesta o racismo eugênico entre nós e sua tentativa de afirmação e de institucionalização, um livro que deve ser estudado, relido e analisado para a construção de um Brasil mais ameno, se quisermos.

Livro com diversas ilustração ao texto, algumas em papel especial do tipo couché.

Livro que se destina a falar da saúde e higiene humana como fator de discriminação segundo pressupostos eugênicos, atributo, entretanto, muito raro em um país de mestiços, sujos e aleijões.
Se propõe a discutir possibilidades de melhoramento, via artifício.
Melhorar a raça eliminando o elemento inferior presente em nosso país, tal como todos nós sabemos, fizeram os Nazistas na decada de 40, seguindo os eugenistas nrte-americanos e europeus na década de 20, só aí daria panao pra manga, o assunto vai longe .... Livro imperdível....





"A única parte útil da medicina é a higiene"
Tal reivinicação, atravessa o século XIX, prolongando e se atualizando no século XX, como evidenciado na Biblia da saude do eugenista brasileiro Renato Kehl.

Segundo ele, era necessário propagar a afirmação "cartesiana" de que cumpria à medicina a solução dos problemas que mais interessam "á grandeza e á felicidade dos habitantes deste planeta", porque "só ela, pela higiene, o mais belo florão da sua coroa", poderia promover o bem-estar físico e moral e a evolução somática e intelectual da humanidade.

Ao apresentar a primeira "pílula da vida", o eugenista tropical, apoiando-se no francês Lacassagne, tratava de definir a higiene como:

"Arte de conservar a saude, e si é verdade, como diz a sabedoria antiga, que a saude é o primeiro dos bens, a hygiene deve ser a primeira das artes.
Sim é arte e não sciencia; representa a aplicação de todos os conhecimentos com o objectivo coordenado de proteger a saude, prolongando a vida dentro dos limites optimos de sua duração normal. E é arte victoriosa, conseguindo aos poucos expurgar o planeta das pestes, das infecções, sanear regiões insalubres, valorizar o solo e beneficiar a vida humana em todos os sentidos"









-------------------

Sobre a eugenia tropical: ou
Brasil nos passos do arianismo do inicio do Século XX.


Uma das principais marcas do discurso de Kehl era o seu pessimismo quanto ao futuro
da nação brasileira. Para ele, a miscigenação racial conduzia o Brasil para uma catástrofe.

Assim, somente com procedimentos eugênicos, como a educação higiênica e a esterilização o
país poderia tornar-se uma nação moderna e próspera.

Defensor de exames médicos que autorizariam ou não o casamento e a geração de filhos, Kehl alertava que essas medidas poderiam ser inócuas para a constituição de uma espécie hígida.

A esterilização deveria ser aplicada de forma compulsória e permanente. Renato Kehl afirmava a competência técnica dos médicos para efetuar uma seleção “eugênica”, no momento histórico em que esta categoria reivindicava uma projeção política na formação social brasileira.


Eugenia é a ciência da boa geração. Ela não visa, como parecerá a muitos, unicamente
proteger a humanidade do cogumelar de gentes feias. Seus objetivos não se restringem à
calipedia, isto é ter filhos bonitos. A beleza é um ideal eugênico. Mas a ciência de
Galton não tem horizontes limitados; ao contrário, seus intuitos além de complexos são
de uma maior elevação...

Segundo Kehl, era necessário propagar a afirmação "cartesiana" de que cumpria à medicina a solução dos problemas que mais interessam "á grandeza e á felicidade dos habitantes deste planeta", porque "só ela, pela higiene, o mais belo florão da sua coroa", poderia promover o bem-estar físico e moral e a evolução somática e intelectual da humanidade.

Ao apresentar a primeira "pílula da vida", o eugenista tropical, apoiando-se no francês Lacassagne, tratava de definir a higiene como: Arte de conservar a saude, e si é verdade, como diz a sabedoria antiga, que a saude é o primeiro dos bens, a hygiene deve ser a primeira das artes.

Sim é arte e não sciencia; representa a aplicação de todos os conhecimentos com o objectivo coordenado de proteger a saude, prolongando a vida dentro dos limites optimos de sua duração normal. E é arte victoriosa, conseguindo aos poucos expurgar o planeta das pestes, das infecções, sanear regiões insalubres, valorizar o solo e beneficiar a vida humana em todos os sentidos.

A procura da verdadeira nação brasileira não esteve presente apenas na produção literária.

O discurso científico também proporcionou ao debate novos argumentos. No início do século XX, a
eugenia explicava o país e tentava transformá-lo.

Para o pensamento social hegemônico na época, fortemente influenciado pelo “eugenismo”, não tínhamos conhecido o desenvolvimento econômico e social de outras nações porque fatores como o clima e a “mistura” com raças inferiores haviam gerado uma população preguiçosa, indisciplinada e pouco inteligente.

Esta inferioridade biológica seria a causa da inadaptabilidade à sociedade moderna e industrial.



Médico, farmacêutico e eugenista, Kehl gesta, no interior de suas obras discussões sobre diversos temas, dentre eles: maternidade, Educação, Higiene, Saneamento e a Educação Física.

Nascido em Limeira, interior de São Paulo, formou-se em Farmácia, em 1909, pela Escola de Farmácia de São Paulo, e em Medicina em 1915, pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, títulos que lhe conferiram status e o auxiliaram a dar voz à Ciência Eugenia.

Constituída como movimento político-científico que visava a melhoraria da condição racial, a
Eugenia estava fadada ao desenvolvimento da espécie. No Brasil, por volta do início da década de
1910, esta ciência ganhou alguns adeptos dizendo ser a salvação para o caso de multi-raças que
aqui se instaurara. A herança da política escravocrata, somada à intensa imigração européia e
posteriormente japonesa, fez com que os olhares da elite letrada recaíssem no desânimo. 5 A
Eugenia seria a ciência capaz de curar os males produzidos pela miscigenação, pelo negro, pelo
índio, pelos italianos e japoneses. Muito mais que regenerar racialmente a população brasileira, a
Eugenia carregava, em seus preceitos, ares de um civismo europeu que aportaria neste país para
endireitar corpos e embelezar o povo.
As investidas dessa Ciência, no Brasil, começam a surgir, de forma mais sistemática, por volta da
segunda metade da década de 1910. Em 1918, Renato Kehl, juntamente com Arnaldo Vieira de
Carvalho, funda a Sociedade Eugênica de São Paulo, um marco do movimento eugênico brasileiro
e importante conquista de Kehl em direção a seu projeto de vulgarização dessa Ciência.
Nesse período foram editados seus primeiros livros cujos conteúdos estão encharcados de
ensinamentos, valores e normas6 morais daquele tempo. Nos primeiros anos da década
1920,7Kehl, nos textos que produziu sobre a educação física, imprime, juntamente com as leis
“naturais” do crescimento e desenvolvimento, da Fisiologia e da hereditariedade, elementos
disciplinares, modos de ser e de se portar. Suas obras revelam-se tal qual um compêndio
pedagógico que ensina pressupostos de raça, classe, gênero, constituindo, assim, modos de ser
homens, mulheres, mães, pais, filhos, cidadãos... Autorizado pela competência médica e pelas
relações político-intelectuais que construiu, 8 este eugenista elege como referentes os corpos de
mulheres belas, magras e elegantes, localizando nas margens as gordas, inativas e falsas.




--------

Renato Ferraz Kehl (1889-1974) História administrativa/biografia


Nasceu em 22 de agosto de 1889, em Limeira (SP), filho de Joaquim Maynert Kehl e Rita de Cássia Ferraz Kehl. Formou-se aos vinte anos pela Escola de Farmácia de São Paulo e posteriormente, em 1915, doutorou-se em medicina na Universidade do Brasil. Exerceu a clínica em São Paulo durante alguns anos. Interessou-se pelos princípios da eugenia e fundou em 1918 a Sociedade Eugênica de São Paulo, com 140 médicos. Lutando pela difusão e implantação das ideias eugênicas, realizou conferências no Brasil, publicou cerca de trinta livros e inúmeros artigos em jornais. Durante alguns anos exerceu o cargo de inspetor sanitário rural do Departamento Nacional de Saúde Pública (DNSP), no qual organizou o Serviço de Educação Sanitária ligado à Inspetoria da Lepra e das Doenças Venéreas, tendo sido também o criador do Museu de Higiene, apresentado por esse serviço nas Comemorações do Centenário da Independência, em 1922. Nesse Museu realizou uma exposição da campanha educativa e sanitária que deveria ser instalada no país, na qual incluiu objetos e fotografias que mostravam as habitações típicas das áreas rurais infestadas de insetos transmissores de doenças. No Departamento de Saneamento e Profilaxia Rural do DNSP trabalhou entre 1919 e 1922 como inspetor sanitário rural e chefe do posto de Meriti (RJ), e depois passou para o Serviço de Educação e Propaganda Sanitária, de 1923 a 1924. Tendo se exonerado do cargo de inspetor sanitário do DNSP, ingressou na empresa Bayer, a princípio como farmacêutico e depois como diretor. Nessa companhia dirigiu durante muitos anos os periódicos Os Farmacêuticos Brasileiros e Revista Terapêutica, que circulavam largamente entre os médicos de todo o país. Em 1933 ingressou na Academia Nacional de Medicina. Entre os seus principais livros destacam-se: Eugenia e medicina social, O médico do lar, Aparas eugênicas, A cura da fealdade, Lições de eugenia, Bíblia da saúde e Pais, médicos e mestres. Morreu em 14 de agosto de 1974.


---------


Temos condição de conseguir muitos outros títulos sobre o assunto.

Diga-nos quais você precisa e lhe daremos a resposta.

Temos um vasto acervo sobre essa bibliografia temática.

Envio em até 24 horas após a confirmação de pagamento com confirmação via e-mail e número de postagem para acompanhamento da entrega.

Toda postagem pode ser rastreada pelo site dos Correios.

Todos os pedidos são enviados com seguro.

CASO HAJA INTERESSE NESSE LIVRO OU EM NOSSO SERVIÇO, ENVIE UM E-MAIL PARA

philolibrorum@yahoo.com.br


Esta Página visa contribuir, com a localização de livros escassos, aos estudiosos das diversas ciências e áreas de estudo ou mesmo hobbies. Sobretudo as publicações já fora de
comércio, antigas, esgotadas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário