Pesquise neste Blog

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

História da Engenharia no Brasil - Seculos XVI a XIX Pedro Carlos da Silva Telles

História da Engenharia no Brasil - Seculos XVI a XIX

Pedro Carlos da Silva Telles

Editora: Clube de Engenharia

ano: 1984

bom estado, escasso, capa dura, sobre capa, muito ilustrado,coda5b. saiba mais ...


"A Engenharia moderna nasceu dentro dos Exércitos; a descoberta da pólvora e depois o prgresso da Artilharia obrigaram a uma completa modificação nas obras de fortificação, que, a partir do século XVII, paasaram a exigir profissionais habilitados para o seu planejamento e execução. As altas torres e as muralhas retas das fortificações medievais não proporcionavam mais uma boa defesa na era dos canhões, sendo substituídas por muralhas em ângulos geometricamente planejados de modo que cada face pudesse ser protegida. com isso a necessidade de realizar obras que fossem ao mesmo tempo sólidas e econômicas e, também, estradas, pontes e portos para fins miltares, forçou o surgimento dos dos Oficiais-Engenheiros e a criação dos Corpos especializados de Engenharia nos Exércitos" (Eng. Pedro da Silva Telles em História da Engenharia no Brasil)
As obras mais antigas de que se tem notícia são as fortificações da cidade de Jericó (8000 AC). O exército Romano, em 230 AC, já tinha uma tropa especializada em Engenharia, as chamadas "fabri", cujos oficiais cursavam uma escola de treinamento para construção de fortificações, estradas e pontes em todo o vasto Império Romano, e algumas ainda podem ser vistas nas regiões da Gália, Germânia, Britânia e norte dos Alpes.. A Engenharia Militar dos árabes e bizantinos deixou também suas marcas no norte da África e Espanha. Mais tarde (séc XVI), os franceses, que já despontavam como potência militar, criou tropas de Engenharia no seu Exército e contou com grandes Engenheiros Militares que são mais conhecidos hoje como matemáticos e físicos: General Belidor (La Science des Ingénieurs - 1729), Lagrange, Laplace, Prony, Fourier, Poisson, Monge (criador da geometria descritiva, destacou-se em combate aos 50 anos, criou a Ècole Polythechnique, refência, ainda hoje, de escola de Engenharia), Poncelet (foi prisioneiro de guerra e escreveu um tratado de geometria projetiva no cativeiro), Cauchy, Carnot (do ciclo de Carnot da termodinâmica), etc. Áustria, Rússia, Grâ-Bretanha, Prússia, Espanha, Portugal, etc, seguiram as mesmas tendências. Brasil e Estados Unidos, como colônias, também receberam a mesma influência. De forma que, no Brasil foi criada a terceira escola de Engenharia regular do mundo e primeira das Américas (Real Academia de Artilharia, Fortificação e Desenho, em 1792), se bem que desde 1699, por ordem do rei de Portugal, já havia cursos de Engenharia no Brasil. nos Estados Unidos surgiu a segunda escla de Engenharia das Américas, a Academia Militar de West Point.

O termo "Engenheiro" significava "oficial que sabe arquitetura, militar, e dirige os trabalhos para o ataque e defesa de praças..." (Novo Dicionário da Língua Portuguesa - 1859). o termo "Engenheiro Militar", na época, era uma redundância, pois todos os Engenheiros eram militares. O termo "Engenheiro Civil", que atualmente designa a especialidade de Engenharia de Construção, segundo o Prof pedro da Silva Telles, foi usado pela primeira vez, pelo inglês John Smeaton, um dos descobridores do cimento Portland, para designar os profissionais que começavam a se dedicar a atividade de Engenharia, exclusivamente, fora dos Exércitos.

No Brasil, os Engenheiros Militares vindos de Portugal (os melhores, por ordem do rei de Portugal) e os já formados no Brasil, foram responsáveis por praticamente todas as grandes obras realizadas na época, tais como fortes, igrejas, mosteiros, estradas, arruamentos, edifícios públicos, obras de saneamento, etc. A maior obra da Engenharia Militar, projetada pelo grande Engenheiro português Brigadeiro Alpoim, foi o aqueduto do Rio de Janeiro, hoje conhecido como Arcos da Lapa.

Curiosidade:

O Brasil pode se orgulhar por ter formado o primeiro Engenheiro não branco do mundo, o iminente André Rebouças ( que hoje dá nome ao túnel no RJ), herói da Guerra do Paraguai, da qual participou integralmente como Tenente do Corpo de Engenheiros, depois renomado Engenheiro e Professor.

Dois de seus irmãos também se formaram Engenheiros na Escola Militar, em plena época da escravatura ( por volta de 1850).

Abolicionista, tornou-se grande amigo de D. Pedro II, acompanhando-o no exílio. É uma das maiores provas de que o Exército e o Imperador não concordavam com a escravidão.



Pedro Carlos da Silva Telles

Nasceu na cidade de Petrópolis, RJ a 25 de fevereiro de 1925.

Engenheiro diplomado pela antiga Escola Nacional de Engenharia (atual Escola Politécnica da UFRJ), em 1947

Sócio titular do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Membro titular da Academia Nacional de Engenharia e da Academia Brasileira de Engenharia Militar. Sócio da Sociedade Brasileira de História da Ciência

Livros publicados: História da Engenharia no Brasil - Séculos XVI a XIX, 1ª edição, 1984 - Prêmio Jabuti; História da Engenharia no Brasil - Século XX, (1993); História da Construção Naval no Brasil (2001); Construção Naval no Brasil (2004)

45 artigos publicados em várias revistas

Trabalhos técnicos de engenharia: 5 livros publicados (um dos quais na 10ª edição); 11 artigos publicados em várias revistas no Brasil e no exterior.

Projetos em andamento: Livro: Estradas de Ferro no Brasil (livro concluído); O Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro na História 1889-1946; O Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro na História 1946-2005


Temos um vasto acervo sobre a bibliografia temática dessa área.


Envio em até 24 horas após a confirmação de pagamento com confirmação via e-mail e número de postagem para acompanhamento da entrega.

Toda postagem pode ser rastreada pelo site dos Correios.

Todos os pedidos são enviados com seguro.

CASO HAJA INTERESSE NESSE LIVRO OU EM NOSSO SERVIÇO, ENVIE UM E-MAIL PARA

philolibrorum@yahoo.com.br


Esta Página visa contribuir, com a localização de livros escassos, aos estudiosos das diversas ciências e áreas de estudo ou mesmo hobbies, sobretudo as publicações já fora de comércio, antigas, esgotadas.

Vendemos também via Mercadolivre.

Veja nossa reputação e visite alguns de nossos livros anunciados em nosso e-shop, em: http://eshops.mercadolivre.com.br/philolibrorum

Um comentário: