Pesquise neste Blog

quinta-feira, 11 de março de 2010

Invenção Mitologia M. Detienne - Historia Nova Hartog Finley




Autor: Marcel Detienne

Título: A invenção da Mitologia

Editora: José Olympio

Ano: 1992 Páginas: 250




Comentário: Livro em bom estado,coda17. brochura, muito escasso, um dos melhores do autor.

Tradução de André Telles e Gilza Martins Saldanha da Gama. Revisão técnica Junito Brandão e Roberto Lacerda.

Segundo Marcel Detienne, os conteúdos constantes de cada um dos três estágios da produção mitológica tinham por objetivo persuadir, enfeitiçar, encantar: esta seria a única política do mito na cidade dos filósofos . Em última análise, tratar-se-ia de um encantamento cujo poder é tão espantoso que a cidade encantada faz ouvir uma única e mesma voz Dentro do que o saber histórico chama de mitoso, o ilusório se nutre da memória antiga, e o fictício se apropria das narrativas dos logógrafos, das investigações dos arqueólogos e das litanias dos genealogistas". Livro apreciado e escasso. Conseguimos outros títulos..


"A invenção da mitologia", de Marcel Detienne, publicado em 1982 , foi o marco inicial de um "intenso debate" desenvolvido ao longo das duas décadas seguintes, gerado pela sua "tese cortante" de que o mito e a mitologia são duas invenções arbitrárias e inadequadas para o estudo de toda e qualquer tradição. Todavia, no âmbito da história em geral, e da história brasileira em particular, esse debate parece ter passado desapercebido. Por essa razão, o que deveria ser apenas um artigo instigado pela leitura de uma das obras "pós-estruturalistas" tornou-se o resultado preliminar de um projeto de pesquisa que pretende analisar e sistematizar o conteúdo da "crítica radical" ao mito, de autores como M. Detienne e Claude Calame, avaliar o debate suscitado por ela e, principalmente, verificar as implicações dessa polêmica para a concepção de "história verdadeira".

O projeto de uma "história verdadeira", assegura François Hartog, assumiu diversas formas, desde Tucídides, seu criador, até versões contemporâneas como a "história científica" e a "nova". Todas elas, porém, sugerem ou afirmam que há, em contraposição à sua forma correta de produzir e escrever o conhecimento, uma ou diversas maneiras erradas. Na obra tucidideana, e em muitas outras, modernas e contemporâneas, o mito desempenha um papel fundamental nessa operação.

Mito, originalmente, significa "discurso", "conjunto de palavras que têm um sentido, um propósito"; pertence à ordem do legein e não contrasta com lógos, "termo de valores semânticos vizinhos que se referem às diversas formas do que é dito". Para assumir o sentido de "mentira", "fábula", "discurso equivocado e ilusório", em contraposição ao lógos qualificado como verdadeiro, lógico, racional, foi preciso um trabalho de re-significação por parte de saberes como a História, que elaboraram sua legitimidade denunciando a tradição . Ao final, mito não se tornou propriamente um conceito, mas a noção que permitiu, e permite, à "história verdadeira" se afirmar como tal. Este é um dos aspectos importantes da crítica radical ao mito, pois coloca em dúvida o poder analítico da antítese lógos-mito e pode abrir novas perspectivas para compreensão do que são, hoje, a história e o historiador....


Temos um vasto acervo sobre a bibliografia temática dessa área, saiba mais ...

Envio em até 24 horas após a confirmação de pagamento com confirmação via e-mail e número de postagem para acompanhamento da entrega.

Toda postagem pode ser rastreada pelo site dos Correios.

Todos os pedidos são enviados com seguro.

CASO HAJA INTERESSE NESSE LIVRO OU EM NOSSO SERVIÇO, ENVIE UM E-MAIL PARA

philolibrorum@yahoo.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário