Pesquise neste Blog

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

História das Orgias Burgo Partridge Abadia Telema Iniciação Mistérios Aleister Crowley etc

História das Orgias

Burgo Partridge


Livro em bom estado, em brochura original, edição escassa da primorosa Ibrasa, não perca, saiba mais ...

Libidinagem, bebida, desregramento, euforia. Ao longo dos séculos, as orgias foram sinônimos disso tudo, e também de liberdade.

Neste livro saboroso, publicado na Inglaterra, Burgo Partridge narra as transformações por que passou a orgia ao longo da história.

Com um texto preciso, rico em informações, ele analisa desde os festivais dionisíacos dos gregos, a brutalidade dos romanos, o sexo grupal praticado por religiosos na Idade Média, a repressão da época vitoriana, os tempos de Casanova e do marquês de Sade até as práticas orgiásticas do século XX.


Nesta cronica sensacional conta nos Burgo Partridge, com frescura e grande erudição, a história de um dos mais fascinantes fenomenos sociais: a orgia.

Uma orgia, diz-nos o dicionário, é um festim licencioso, marcado por uma atividade sexual promíscua, pelo uso imoderado do álcool, etc.

Com uma visão mais ampla e polemica desse fenômeno, Burgo Partridge elucida-nos sobre o seu significado e prática através dos tempos.

Desde os gregos e os seus festivais dionisíacos até aos gostos orgiásticos de Casanova e Marquês de Sade e, já no século XX, aos bizarros excessos de Aleister Crowley e Rasputin, tudo é por si analisado e explicado neste estudo brilhante e rigoroso, um clássico. Inclui 2 extratextos de 8 páginas com ilustrações a p/b.


Burgo Partridge, que nos fala deste fenomeno social pouco conhecido entre nós, é descendente do grupo Bloomsbury, um grupo que reuniu as melhores cabeças pensantes de Inglaterra tais como a escritora Virgínia Woolf, o economista John Keynes, o crítico e biógrafo Lytton Strachey, o escritor E. M. Foster, a artista plástica Dora Carrington, entre outros.

Preocupado com as grandes questões estéticas e filosóficas, Burgo Partridge procurou modernizar a cultura inglesa no final do período vitoriano.

Nenhum comentário:

Postar um comentário