Pesquise neste Blog

terça-feira, 14 de julho de 2009

A Cultura do Simulacro - Filosofia e Modernidade Em J. Baudrillard Hygina Bruzzi de Mel.


A Cultura do Simulacro - Filosofia e Modernidade Em J. Baudrillard

Hygina Bruzzi de Melo

editora: Loyola

ano: 1988

Livro em brochura, 273 páginas. Livro bem conservado.escasso, aproveite.

A sociedade de consumo é, numa palavra, o lugar onde se fragmenta o espelho da representação. E é, simultaneamente, o tema que Baudrillard elege para recusar de um só golpe os espelhos teóricos aos quais dedica uma crítica mais detida em obras específicas. Tendo já evidenciado, numa análise em filigrana, a distorção que a evolução do objeto técnico experimenta em contato com os processos inconscientes de projeção e de regressão do discurso subjetivo, e com o sistema sócio-ideológico do consumo, Baudrillard destaca o papel mediador que o sistema dos objetos passa a desempenhar na cultura contemporânea, aproximando-o do sistema lingüístico. Assim, se, como quer Saussurre, o termo assume com relação ao sistema um valor posicional, e se as relações....

Podemos dizer todavia que o estudo do consumo como processo global de conversão e de transferência simbólica a toda uma cadeia de significantes objetos, investidos sucessivamente como objetos parciais, está implícito em sua análise do comportamento fetichista do ego consumans. A semiologia global, que implica uma generalização do objeto parcial aos processos de somatização, eles próprios se apresentando como transferência simbólica e investimento — com base numa teoria do corpo e de seu estatuto de objeto na modernidade — está presente de modo inequívoco na análise do corpo-signo, de tempo-objeto, do sistema da moda e nessa flutuação de signos que caracteriza o páthos do consumo. A psicanálise é invocada para interpretar o consumo como conjunto de práticas inconscientes, perspectiva que responde a essa fragilidade da auto-representação que Baudrillard vê falhar na esfera da consciência. Mas, a salvo da patologia social, ela é vivamente contestada nesse elogio do objeto sexual com que nos defrontamos em De la séduction.

As referências a Freud, Marx, Saussure e Mauss são obrigatórias no conjunto da obra de Baudrillard. Mas trata-se de referências contrariadas. É preciso jogar Freud contra Freud, Marx contra Marx, Saussure contra Saussure. Fica a pergunta: não seria o caso de jogar Baudrillard contra Baudrillard?

livro em bom estado, saiba mais.Temos condição de conseguir muitos outros títulos sobre o assunto. Diga-nos quais você precisa e lhe daremos a resposta.

Temos um vasto acervo sobre essa bibliografia temática.

Envio em até 24 horas após a confirmação de pagamento com confirmação via e-mail e número de postagem para acompanhamento da entrega.

Toda postagem pode ser rastreada pelo site dos Correios.

Todos os pedidos são enviados com seguro.

CASO HAJA INTERESSE NESSE LIVRO OU EM NOSSO SERVIÇO, ENVIE UM E-MAIL PARA

philolibrorum@yahoo.com.br


Esta Página visa contribuir, com a localização de livros escassos, aos estudiosos das diversas ciências e áreas de estudo ou mesmo hobbies. Sobretudo as publicações já fora de comércio, antigas, esgotadas. Vendemos via Mercadolivre. Visite alguns de nossos livros anunciados em nosso e-shop, em: http://eshops.mercadolivre.com.br/philolibrorum





--

Nenhum comentário:

Postar um comentário