Pesquise neste Blog

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Ricardo Ramos Matar um Homem Martins 1970 1ª edição



Ricardo Ramos

Matar um Homem

Martins

1970

Livro em bom estado de conservação, brochura com capa original.

Matar um homem

Tarde e noite de circo

A pitonisa e as quatro estações

A tragédia vencedora

A mancha na sala de jantar

Júlia, minha estrela e o exercício de viver

Relato quase memória

Fred e a sua mensagem de Natal

Crime no Recife

Esboço de mutante

Lembrança da Santa Cruz

Ano Novo com meu tio



O conto centra-se na personagem Edimilson – “cearense e feio” – já há algum tempo na cidade do Rio de Janeiro. Aos poucos, vai se modificando, influenciado por filmes, revistas e modismos:


“(...) Vai aprendendo. Lera uma revista, Seleções, que a mulher fica mais gripada que o
homem. Será verdade? Deve ser, ora, isso e tudo mais.
(...)

Vai aprendendo coisas. Natação e judô, para fazer figura na praia de Ramos; um
pouco de escrituração, que precisa fazer carreira na companhia. Sabe se apresentar,
sabe usar os talheres, já agüenta uma hora de conversação. Variada. (...).”

É noivo de Adalgisa, moradora de uma vila. Certa vez, ao estar lá, um vizinho – seu
Valdir – chama a atenção deles para alguns barulhos em uma casa onde os moradores
tinham saído. O vizinho pega a arma e os três vão até a casa.

Ao chegarem lá, as portas estavam abertas e a casa revirada. Surpreendem dois
ladrões. Um deles, que era menor de idade, acaba fugindo. O outro, encurralado na
padaria, é apedrejado por toda a vizinhança, que se mobilizou ao saber do assalto. Ao
aparecer, a polícia se depara com o cadáver do assassino e ninguém assume ou acusa
quanto ao crime ocorrido.


Ricardo Ramos surge na geração denominada de Pós-Modernismo. De estilo sóbrio e ironia constante, costuma mergulhar no íntimo do ser humano, flagrando-nos em nosso cotidiano. De linguagem depurada e concisa, utiliza-se de alguns traços do coloquialismo urbano que marcam sua expressividade comunicativa. A morte torna-se neste conto um dos elementos temáticos centrais, quer física ou simbólica.

No plano físico, temos a morte do ladrão. Já no simbólico, é Edimilson que “morre”.
Sua nova realidade vai tragando sua personalidade, substituindo paulatinamente os valores que trouxera do Ceará por novos, agora ilusórios, como a jaqueta de couro do cinema, os novos conceitos de valores assimilados nas revistas e através da namorada.



Livro em bom estado de conservação, capa brochura, escasso, não perca, saiba mais ....

Trata-se de um grande clássico de caráter universal primordial para a educação. Possui texto de fácil entendimento que estimula o leitor a pensar e refletir sobre o tema proposto.

Temos condição de conseguir muitos outros títulos sobre o assunto.

Diga-nos quais você precisa e lhe daremos a resposta.

Temos um vasto acervo sobre essa bibliografia temática.

Envio em até 24 horas após a confirmação de pagamento com confirmação via e-mail e número de postagem para acompanhamento da entrega.

Toda postagem pode ser rastreada pelo site dos Correios.

Todos os pedidos são enviados com seguro.

CASO HAJA INTERESSE NESSE LIVRO OU EM NOSSO SERVIÇO, ENVIE UM E-MAIL PARA

philolibrorum@yahoo.com.br


Esta Página visa contribuir, com a localização de livros escassos, aos estudiosos das diversas ciências e áreas de estudo ou mesmo hobbies. Sobretudo as publicações já fora de comércio, antigas, esgotadas. Vendemos via Mercadolivre.


----------


Nascido em Palmeira dos Índios (AL), em 4 de janeiro de 1929, filho de Graciliano Ramos e D. Heloísa de Medeiros Ramos, Ricardo Ramos fez seus primeiros estudos em Maceió (AL). Com 14 anos partiu para o Rio de Janeiro, onde iniciou-se no jornalismo aos 15 anos e passou a estudar à noite. No final dos anos 40, com cerca de 20 anos, publicou seus primeiros contos, avulsamente, em revistas e suplementos literários. Formou-se em Direito, em 1951, pela Faculdade de Direito da Universidade de Guanabara do Rio de Janeiro, mas nunca advogou. Nessa época, já se dedicava à propaganda e, em função dessa atividade, cinco anos depois, transferiu-se para São Paulo, onde morou até 1992. Nos mais de trinta anos em que viveu em São Paulo, sempre engajado em causas sociopolíticas, foi escritor, jornalista, publicitário, professor de Comunicação e responsável direto por projetos junto a grandes empresas, como o megaevento "Bienal Nestlé de Literatura", em todas as suas edições.

Admirador e amante da literatura, tinha como preferência os contos de Machado de Assis, os livros Guerra e paz e A morte de Ivan Ilitch, de Leon Tolstoi, e Ninguém escreve ao coronel e Crônica de uma morte anunciada, de Gabriel García Márquez.

Nenhum comentário:

Postar um comentário