Pesquise neste Blog

quinta-feira, 9 de julho de 2009

Raymond WILLIAMS Marxismo e Literatura.


Raymond WILLIAMS

Marxismo e Literatura.

Rio de Janeiro. Zahar

1979

livro em brochura original, bom estado, escasso, saiba mais. Coda4d. Em Marxismo e Literatura, de 1971, Williams traçou os principais pontos teóricos da sua “teoria das especificidades da produção cultural e literária material, no interior do
materialismo histórico” ou seja, daquilo que ele mesmo chamaria de “materialismo
cultural”, munido, porém, à semelhança de E P Thompson, de uma rejeição tácita à teoria dos
“reflexos” e “ecos” tão comum à tradição do “marxismo vulgar”.

De fato, a tardia publicação de importantes obras marxianas conjugada ao
estabelecimento de um “marxismo oficial”, a partir da União Soviética, limitou o
desenvolvimento da análise histórico-marxista sobre a cultura, ou mesmo sobre aspectos da
vida social desvinculados do território designado como estrutural.

“Marxismo e Literatura” pode ser lido como um texto teórico que se esforça em
superar as amarras às quais o pesquisador das ciências humanas parecia estar confinado.
Ao tratar cuidadosamente de conceitos como cultura, língua, literatura, ideologia, hegemonia
e teoria cultural, Williams procurou entendê-los como conceitos que se desenvolvem e
alteram-se no interior do processo histórico que os envolve, os específica e lhes confere
sentido.

Valiosas foram as leituras realizadas por Williams de importantes obras de Bakhtin,
Gramsci, Lukács, Marcuse, Vygotsky etc. Obras que subsidiaram seu posicionamento
contrário às abordagens sócio-históricas mecanicistas. A leitura destes autores o desviou
também da influência do estruturalismo lingüístico, encaminhando-o para o desenvolvimento
da idéia fundamental de uma cultura articulada, imbricada, com o movimento histórico da
sociedade.

Raymond Williams, apesar de sua origem familiar operária, se formou em Inglês pela Universidade de Cambridge. Foi crítico literário e professor de várias disciplinas de Língua e Literatura nas universidades de Oxford e Cambridge, além de ter trabalhado no projeto de educação de operários.

Ele afirma que seu propósito é levantar uma crítica e uma argumentação, referentes às relações entre Marxismo e Literatura. Essa crítica se fez a partir de seu envolvimento com a Nova Esquerda e do seu contato com o pensamento de Bertold Brecht e George Lukács.

Preocupado principalmente com a questão do estabelecimento de uma teoria literária marxista, Williams partiu dos conceitos da teoria cultural marxista, como era entendida em sua época. No entanto, fez uma revisão desse conceito e se afirmou não como marxista, mas sim como um teórico do materialismo cultural que, segundo ele, era “uma teoria das especificidades da produção cultural e literária material, dentro do materialismo histórico”


“não tanto diretamente na teoria da linguagem, que no todo foi negligenciada, mas habitualmente em suas exposições sobre a consciência e em sua análise das atividades lingüísticas práticas que foram agrupadas sob as categorias de ‘ideologia’ e ‘superestrutura”


“não tanto diretamente na teoria da linguagem, que no todo foi negligenciada, mas habitualmente em suas exposições sobre a consciência e em sua análise das atividades lingüísticas práticas que foram agrupadas sob as categorias de ‘ideologia’ e ‘superestrutura”


“a inserção das determinações econômicas nos estudos culturais é sem dúvida a contribuição especial do marxismo, e há ocasiões em que sua simples inserção é um progresso evidente. Mas, no fim, não pode ser uma simples inserção, pois o que se faz realmente necessário, além das fórmulas limitadoras, é o restabelecimento de todo o processo social material e, especificamente da produção cultural como social e material”




“Em sua forma moderna, o conceito de “literatura” não surgiu antes do século XVIII e não se desenvolveu plenamente até o século XIX. Mas as condições para o seu aparecimento se vinham desenvolvendo desde o Renascimento, A própria palavra começou a ser usada em inglês no século XIV, seguindo precedentes francês e latino: sua raiz foi littera, do latim, uma letra do alfabeto. A literatura era então uma situação de leitura: ser capaz de ler e de ter lido. Estava, com freqüência, próxima do sentido moderno da palavra inglesa literacy [alfabetização, estado de alfabetizado], que só surgiu na linguagem do século XIX, tendo sua introdução se feito necessária em parte por ter a palavra literature adquirido um significado diferente. O adjetivo normalmente associado a literature era literate [em inglês moderno, alfabetizado]. Literary apareceu no sentido de capacidade e experiência de leitura, no século XVII, e não adquiriu sem significado especializado senão no século XVIII.
Literature, como uma nova categoria, foi portanto uma especialização da área antes categorizada como retórica e gramática: uma especialização de leitura e, no contexto material do desenvolvimento da imprensa, da palavra impressa e em especial do livro”

coda4d.livro em bom estado, saiba mais.Temos condição de conseguir muitos outros títulos sobre o assunto. Diga-nos quais você precisa e lhe daremos a resposta.

Temos um vasto acervo sobre essa bibliografia temática.

Envio em até 24 horas após a confirmação de pagamento com confirmação via e-mail e número de postagem para acompanhamento da entrega.

Toda postagem pode ser rastreada pelo site dos Correios.

Todos os pedidos são enviados com seguro.

CASO HAJA INTERESSE NESSE LIVRO OU EM NOSSO SERVIÇO, ENVIE UM E-MAIL PARA

philolibrorum@yahoo.com.br


Esta Página visa contribuir, com a localização de livros escassos, aos estudiosos das diversas ciências e áreas de estudo ou mesmo hobbies. Sobretudo as publicações já fora de comércio, antigas, esgotadas. Vendemos via Mercadolivre. Visite alguns de nossos livros anunciados em nosso e-shop, em: http://eshops.mercadolivre.com.br/philolibrorum





--

Nenhum comentário:

Postar um comentário